Realização de lucros puxa queda de 1,22%

SÃO PAULO, 26 de abril de 2007 - O novo recorde na Bolsa de Valores de Nova York não foi suficiente para conter o movimento de venda na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Depois de registrar o décimo terceiro recorde do ano na quarta-feira, o Ibovespa encerrou o pregão em baixa de 1,22%, aos 49.068 pontos. O giro financeiro segue alto, em R$ 4,0 bilhões.

Na Bolsa de Valores de Nova York, o Dow Jones voltou a registrar recorde de fechamento aos 13.105 pontos, alta de 0,12%. A Nasdaq ganhou 0,26%. Lá fora, as compras são impulsionadas pelos fortes balanços trimestrais.

"O mercado andava bem esticado. É natural que ocorresse uma realização", avalia José Costa Gonçalves, diretor da Indusval Corretora. Costa chama atenção para o fato de que, apesar da queda, o índice ainda acumula alta de 10,33% no ano, sendo que 7,12% desta valorização foi registrada durante o mês de abril.

Para o diretor, o cenário segue positivo, mas o foco do investidor continua no cenário externo. "O mercado está muito sensível e opera olhando para todos os lados. Se der algum problema lá fora pode ser que o índice volte com mais força."

Segurando o índice em baixa, as ações da Petrobras (PETR4) caíram 2,23%, para R$ 46,44, a Vale (VALE5) recuou 2,53%, para R$ 70,35. As ADRs negociadas em Nova York também perderam força. A ADR da Petro caiu 1,91%, para US$ 103,61, e a da Vale cedeu 2,22%, para US$ 41,49. O banco JPMorgan comunicou hoje que comemora os 80 anos da ADR, instrumento que permite que empresas estrangeiras sejam negociadas em Nova York. O banco norte-americano criou a primeira ADR em 29 de abril de 1927 para a rede varejista britânica Provincial Stores Limited.

Destaque de alta para as ações da Braskem (BRKM5), que subiram 3,06%, para R$ 16,80. A Cyrela mantém a trajetória de ganhos, avançando 2,6%, para R$ 24,00. A Cosan (CSAN3) ganhou 2,37%, para R$ 44.

Os bancos seguem em alta, com o Itaú (ITAU4) ganhando 0,39%, para R$ 79,76. De acordo com Costa, os papéis reagem à possibilidade de venda de uma participação de 17,5% que o Itaú detém no Banco Português de Investimento (BPI). Informações do Diário Econômico, de Portugal, indicam que o banco brasileiro se mostra contrário à venda da instituição para o concorrente Banco Comercial Português (BCP). Ainda dentro do setor, o Unibanco (UBBR11) avançou 0,75%, para R$ 20,15. Já o Bradesco (BBDC4) perdeu 1,24%, para R$ 43,70.

Forte queda para as ações da Natura (NATU3), que recuaram 4,35%, para R$ 24,38. A fabricante de cosméticos recuou 1,6% no comparativo anual, para R$ 80,3 milhões.

Queda também para a Telemig (TMCP4), que desabou 6,38%, para R$ 4,40. A TIM Part ON (TCSL3) caiu 5,46%, para R$ 11,25.

A estreante Agra Empreendimentos Imobiliários (AGIN3) subiu 6,47%, para R$ 9,05. A companhia entrou para o Novo Mercado com a emissão de primária de 68,5 milhões de ações e outras 13,7 milhões de ações adicionais, a R$ 8,5 cada.

(Eduardo Campos - InvestNews)