Índice cai mas segue acima dos 49 mil pontos

SÃO PAULO, 24 de abril de 2007 - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) registra mais um pregão de elevada instabilidade, acompanhando de perto a movimentação do mercado norte-americano. O Ibovespa encerrou o pregão em baixa de 0,19%, aos 49.071 pontos, com giro financeiro ficou em R$ 3,01 bilhões.

O índice chegou a cair 1,14%, refletindo a menor confiança do consumidor e o recuo na venda de imóveis nos Estados Unidos. No entanto, as vendas não se sustentaram, com o índice Dow Jones registrando novas máximas, reflexo dos fortes resultados trimestrais.

"Estamos trabalhando bastante atrelados a Nova York e fomos revertendo o movimento de venda", avalia Edson Marcellino, diretor de renda variável da FinaBank Corretora.

Para o diretor, com as bolsas internacionais fortes e indicadores internos positivos não existem eventos contrários que estimulem as vendas. "Amanhã o índice deve puxar uma alta e ainda esta semana é capaz de bater os 50 mil pontos", avalia.

Salvo algum evento externo envolvendo a economia norte-americana ou algum sinal de desaceleração da economia chinesa, Marcellino indica que as perspectivas para o mercado são realmente boas. "Este ano é um ano de Bolsa."

Com visão parecida, o Unibanco Asset Management mudou sua meta para o Ibovespa, de 51.500 pontos para 57.300 pontos em 12 meses. Isso significa um potencial de valorização de 16,5% do índice em relação ao fechamento de ontem, que foi de 49.162 pontos.

No âmbito corporativo, destaque de alta para as ações da Transmissão Paulista (TRPL4), com valorização de 4,29%, para R$ 28,68. A Cyrela (CYRE3) ganhou 4,07%, para R$ 22,49, e a Souza Cruz (CRUZ3) avançou 4,01%, para R$ 44.

Segurando o índice em baixa, as ações da Petrobras (PETR4) recuaram 0,23%, para R$ 46,52, e a Vale (VALE5) cedeu 0,11%, para R$ 71,09. A Usiminas (USIM5) caiu 1,72%, para R$ 95,71.

Queda para os bancos, que acumulavam forte valorização nos últimos pregões. O Unibanco (UBBR11) perdeu 1,82%, para R$ 19,91, o Banco do Brasil (BBAS3) recuou 2,04%, para R$ 71,50, seguido pelo Bradesco (BBDC4), com perda de 1,5%, para R$ 43,29.

A fabricante de papéis Klabin (KLBN4) caiu 1,15%, para R$ 6. A companhia encerrou o primeiro trimestre do ano com lucro líquido em R$ 166 milhões, leve alta de 1,7% sobre os R$ 163 milhões registrados em igual período de 2006 e um crescimento de 49,5% sobre os R$ 111 milhões observados no quarto trimestre.

(Eduardo Campos - InvestNews)