Para VCP, preço estável é vitória

SÃO PAULO, 20 de abril de 2007 - Os preços da celulose no País, os quais as produtoras conseguiram repassar custos na forma de reajustes duas vezes no ano passado, ficaram estáveis no primeiro trimestre deste mesmo com alguma expectativa da indústria de que houvesse reajustes. Para a Votorantin Celulose e Papel (VCP), a estabilidade foi uma vitória para o setor, já que as previsões de analistas eram do risco de que houvesse um excesso de oferta e, por cosequência, queda nos preços.

"Apesar de muitos analistas terem previsto queda nos preços houve estabilidade. Isso é muito relevante para nosso negócio", disse o gerente de relações com investidores da VCP, Alfredo Villares.

Segundo os executivos da área, os reajustes de preço da celulose de eucalipto produzida no Brasil têm um espaço maior para ocorrerem neste primeiro trimestre, já que a partir de agosto começam a entrar em operação novas capacidades, como a da Suzano Papel e Celulose em Mucuri (BA), que somam ao mercado uma capacidade de 1 milhão de toneladas ao ano de celulose. Há outras ampliações de porte semelhante no Brasil e no Chile.

(Juan Velásquez - InvestNews)