Taxas caem por falta de consenso do Copom

SÃO PAULO, 19 de abril de 2007 - A possibilidade da Selic voltar ao ritmo de queda de 0,50 ponto percentual, levou os investidores a promoverem ajuste de posições na Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), levando as taxas de juros a fecharem em queda acentuada. Na véspera, a falta de consenso na decisão de queda da Selic fez crescer a expectativa de que o Comitê de Política Monetária (Copom) pode acelerar o ritmo de corte. A taxa passou de 12,75% para 12,50% ao ano.

A maior liquidez foi verificada no DI de janeiro de 2008, que caiu de 11,83%, do fechamento anterior, para 11,61%, após 728 mil transações e volume de R$ 67 bilhões. Julho de 2007 indicou juro de 12,28%, contra 12,36% do último fechamento, com 450,8 mil negócios e giro de R$ 44 bilhões. O vencimento outubro de 2007 saiu de 12,03%, do ajuste passado, para 11,91, com 62,5 mil negócios e giro de R$ 5,9 bilhões. Janeiro de 2009 registrou taxa de 11,08%, ante 11,38% do ajuste de quarta-feira, com 429 mil negócios e giro de R$ 35 bilhões. O DI de janeiro de 2010 passou de 11,17% para 10,89%, após 233 mil transações e volume de R$ 17 bilhões.

Na contramão, o contrato para maio de 2007 mostrou taxa de 12,40%, face 12,39% do ajuste de ontem, após 122,9 mil transações e volume de R$ 12,2 bilhões.

Agora, segundo um analista, a expectativa dos investidores é com relação a ata da reunião que será divulgada na próxima quinta-feira. Ele acredita que o documento deve apresentar sinais sobre qual será a postura adotada pelo Banco Central (BC). No entanto, ele destaca que apesar da última reunião ter sinalizado para um próximo corte de dimensões maiores, é possível que o colegiado opte mais uma vez pela cautela.

(Vanessa Stecanella - InvestNews)