ASSINE
search button

Veloso não explica ligações p/envolvidos em dossiê

Compartilhar
SÃO PAULO, 22 de novembro de 2006 - O ex-diretor de Gestão de Risco do Banco do Brasil (BB), Expedito Veloso, não soube explicar em depoimento hoje, na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Sanguessugas, as ligações para Gedimar Passos no dia 13 de setembro - data da entrega do dinheiro para compra de um dossiê contra políticos do PSDB, no Hotel Íbis, na capital paulista.

Na mesma hora em que há registro de ligações de Expedito para Gedimar, imagens da câmera de segurança do hotel mostram Gedimar Passos falando ao telefone, o que, segundo o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), comprovaria que os dois se falaram logo após a entrega do R$ 1,7 milhão que seriam usados na compra do dossiê.

Segundo o deputado, a entrega do dinheiro foi feita por volta de 8h50 daquele dia e as ligações foram feitas entre 10h12 e 10h15.

"Desconheço que uma imagem de São Paulo possa dizer que a pessoa estava falando comigo", se defendeu Expedito Veloso.

Além da imagem, segundo Carlos Sampaio, ainda há registro de uma ligação com nove minutos de duração de Valdebran Padilha para ele no dia anterior à entrega do dinheiro às 21h47, e no dia seguinte, às 7 horas, Gedimar Passos falou por seis minutos com Expedito Veloso. "Uma hora e cinqüenta minutos antes de o Hamilton Lacerda entrar no hotel", disse o deputado. Essas ligações ainda se repetiram por mais duas vezes (às 8h01 e às 8h17) e às 8h23 Expedito ligou para Valdebran Padilha.

"Essas ligações têm diversos problemas, têm informações que não batem. Alguns números na lista estão sujeitos a reparos. Está claro para mim que alguns dados ali não batem", disse Expedito.

Além de negar vários telefonemas dele para outros envolvidos no caso, o ex-diretor do BB ainda disse desconhecer qualquer negociação envolvendo dinheiro na compra dos documentos.

"O Expedito organizou a operação, participou da reunião, trocou telefonemas com Valdebran, inclusive no dia que antecedeu à prisão, entre 11 e 13 de setembro, e simplesmente não sabe de nada sobre o dinheiro", disse Carlos Sampaio.

A versão apresentada por Expedito de que as negociações para a aquisição dos documentos não envolviam dinheiro é a mesma apresentada por Jorge Lorenzetti à CPI ontem. "Ele veio aqui criar uma mentira, referendar a mentira dita ontem pelo Lorenzetti", disse Carlos Sampaio.

As informações são da Agência Brasil.

(Redação - InvestNews)