Jornal do Brasil

Economia

Supermercados britânicos ameaçam boicotar o Brasil por desmatamento

Jornal do Brasil

As principais redes de supermercados britânicas ameaçaram, nesta quarta-feira (20), boicotar os produtos produzidos no Brasil se for aprovada uma medida provisória que eles alegam que levaria a mais desmatamento da floresta amazônica.

Em uma carta aberta aos senadores e deputados de Brasília, esses grupos declaram estar "profundamente preocupados" com a Medida Provisória 910, apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro.

A medida, que deve ser votada pelo Congresso Nacional, visa regularizar assentamentos informais em terras pertencentes à União, incluindo por meio da concessão de títulos de propriedade para aqueles que atualmente as ocupam ilegalmente.

O chefe de Estado, cético em relação ao consenso científico sobre as mudanças climáticas, nada tem feito para desencorajar a exploração da floresta amazônica para agricultura ou mineração, pelo contrário.

"Se a medida for adotada, promoveria ainda mais a apropriação de terras e o desmatamento em larga escala, comprometendo a sobrevivência da Amazônia" e, por conseguinte, os objetivos do Acordo de Paris de luta contra as mudanças climáticas, denunciam as grandes distribuidoras britânicas.

"Acreditamos que também comprometeria a capacidade de empresas como as nossas de continuar comprando do Brasil no futuro", acrescentam.

Entre os 41 signatários da carta estão algumas das maiores redes de supermercados do Reino Unido, como Tesco, J Sainsbury, Marks & Spencer, mas também Asda, Waitrose e empresas de alimentos como Burger King UK, o fundo público de pensões sueco AP7 e outras empresas de gestão de investimentos.

- Reconsiderar a postura -

"Instamos o governo brasileiro a reconsiderar sua postura e esperamos continuar trabalhando com nossos parceiros no Brasil para demonstrar que o desenvolvimento econômico e a proteção ambiental não são mutuamente exclusivos", insistiram.

Segundo a embaixada brasileira em Londres, o Brasil é o 15º maior exportador para o Reino Unido, com ouro e outros minerais, soja, madeira, carne e café como principais produtos.

Nos primeiros quatro meses de 2020, o desmatamento atingiu níveis recordes na Amazônia, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que realiza observações por satélite: 1.202 km² de floresta foram perdidos, ou o equivalente a quatro vezes a área de Manhattan.

Isso representa 55% a mais do que no ano anterior e o valor mais alto registrado nos quatro primeiros meses do ano desde que a série histórica começou em agosto de 2015.

Bolsonaro defende a exploração econômica da maior floresta nativa do mundo, porque afirma que os povos indígenas devem aproveitar os recursos naturais do território.

Em uma carta entregue ao governo britânico em fevereiro, o líder yanomami Davi Kopenawa e três outros líderes indígenas - Dario Yanomami, Raoni Metuktire e Megaron Txucarramae - pediram ao primeiro-ministro Boris Johnson e outras autoridades europeias que não aceitem ouro e outros produtos derivados da destruição de suas terras.

"Precisamos que as autoridades tomem medidas e peçam ao presidente (Jair) Bolsonaro para expulsar os mineiros ilegais das terras yanomami, esta é a minha mensagem urgente", disse Davi Kopenawa à AFP em Londres.

"A relação que o presidente do Brasil tem conosco é buscar riqueza em nossa terra, ele não se importa com a floresta ou com os povos indígenas, o que ele quer é explorar os recursos e a riqueza de nossa terra, a mineração, o ouro e diamantes. Quer acabar com a gente e roubar nossa terra", denunciou.