Secretário da Previdência lamenta votação sobre abono salarial no Senado

O secretário especial adjunto de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, lamentou nesta quarta-feira a queda de novas regras mais rígidas sobre o abono salarial na votação da reforma da Previdência em primeiro turno no Senado, avaliando a política como mal focalizada.

Entretanto, ele considerou a aprovação do texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) previdenciária como uma vitória importante para o país.

Macaque in the trees
Senado (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

"A perda do abono é uma pena por se tratar de uma política mal focalizada”, disse Bianco à Reuters.

Após a aprovação do texto principal, o plenário do Senado votou quatro dos 10 destaques que separavam trechos específicos para deliberação à parte, e foi aprovado um destaque proposto pela bancada do Cidadania que excluiu da reforma mudanças sobre o abono salarial que reduziriam o limite de renda mensal para ter direito ao benefício.

Após a votação do destaque do abono, que representou uma derrota para o governo e reduziu a economia prevista com a reforma previdenciária em 76,4 bilhões de reais em 10 anos, os senadores suspenderam a sessão, que será retomada nesta quarta-feira a partir das 11h.

“Com certeza (a aprovação parcial) é uma vitória, mas ainda não terminou. Faltam alguns destaques e segundo turno, e esperamos manter tudo", completou, considerando o impacto da questão do abono "significativo".