Jornal do Brasil

Economia

Preços do petróleo fecham estáveis com tempestade nos EUA e previsão de superávit global

Jornal do Brasil

NOVA YORK, 12 Jul (Reuters) - Os preços do petróleo encerraram a sessão desta sexta-feira com poucas alterações, à medida que a produção dos Estados Unidos no Golfo do México foi reduzida em mais da metade devido a paralisações causadas por uma tempestade tropical, mas preocupações a respeito de um superávit global de petróleo nos próximos meses limitaram os ganhos.

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam a 66,72 dólares por barril, avanço de 0,20 dólar. Já os futuros do petróleo nos EUA fecharam em alta de 0,01 dólar, a 60,21 dólares o barril.

O Brent ganhou 4% nesta semana, enquanto o WTI registrou um avanço de 4,7%. Ambos os valores de referência recuaram na semana passada.

A tempestade tropical Barry, que deve se transformar em furacão pouco antes de chegar ao continente neste final de semana, ofereceu suporte aos futuros do petróleo, com empresas no Golfo do México diminuindo a produção.

O bombeamento de petróleo nas áreas reguladas pelos EUA no Golfo foi reduzido em quase 59%, ou 1,1 milhão de barris por dia, por conta da tempestade, informou o Departamento de Segurança e Fiscalização Ambiental norte-americano (BSEE, na sigla em inglês).

"O mercado do petróleo está sendo apoiado pela redução da produção no Golfo do México... É aguardar para ver se a tempestade tropical Barry se transformará em grandes inundações, o que impactaria o setor de refino na Louisiana, o gás e o diesel", disse Andy Lipow, presidente da Lipow Oil Associates.

Por outro lado, a Agência Internacional de Energia (IEA, na sigla em inglês) prevê que a crescente produção petrolífera norte-americana irá superar o ritmo de avanço da fraca demanda global, levando a um grande crescimento dos estoques ao redor do mundo nos próximos nove meses.

"Esse relatório está moderando qualquer alta dos preços que poderíamos ver devido à tempestade tropical Barry, porque o mercado continua a tropeçar no peso da desaceleração do crescimento econômico", acrescentou Lipow.

(Reportagem adicional de Borzorgmehr Sharafedin em Londres, Jane Chung em Seul e Koustav Samanta em Cingapura)