Brent se recupera de mínima de 4 meses e avança 1%; rali em ações influencia

Os preços do petróleo encerraram esta terça-feira com ganhos de 1%, depois de um rali dos mercados acionários globais afastar o Brent da mínima de quatro meses registrada no início da sessão.

Nos Estados Unidos, os mercados de ações avançaram quase 2%, por conta do pedido da China por um diálogo com os norte-americanos, visando solucionar a disputa comercial entre os países, e por comentários do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, gerarem expectativas de um corte na taxa de juros norte-americana.

Os contratos futuros do petróleo Brent avançaram 0,69 dólar, ou 1,1%, e fecharam a 61,97 dólares por barril. O valor de referência global chegou a cair para até 60,21 dólares no início da sessão, sua mínima desde 29 de janeiro.

Já o petróleo nos EUA fechou em alta de 0,23 dólar, ou 0,4%, a 53,48 dólares por barril, um dólar acima da mínima da sessão.

O movimento de alta vem antes do relatório semanal de estoques dos EUA, que deve apontar, segundo pesquisa da Reuters, uma diminuição de 800 mil barris na semana passada, o que representaria a segunda retração consecutiva, após o maior nível em quase dois anos ter sido atingido em meados de maio.

"Não há escassez nos estoques de petróleo. A não ser que vejamos uma queda geral nos estoques, os preços do petróleo e de produtos seguirão sob pressão", disse Andrew Lipow, presidente da Lipow Oil Associates, ressaltando que os ganhos da commodity nesta terça-feira foram desencadeados pelo rali no mercado de ações.

Na segunda-feira, o Brent fechou em seu menor nível desde 28 de janeiro, enquanto o WTI terminou a sessão em sua mínima desde 12 de fevereiro.