Ibovespa sobe com investidores de olho em efeito de manifestações na cena política

SÃO PAULO, 27 Mai (Reuters) - A bolsa paulista mostrava força nesta segunda-feira, com agentes financeiros demonstrando alívio após manifestações em apoio ao governo do presidente Jair Bolsonaro no dia anterior, em meio a um cenário externo mais morno devido a feriados no Estados Unidos e Reino Unido.

Às 10:43, o Ibovespa subia 0,96%, a 94.528,42 pontos. O volume financeiro era de 936,6 milhões reais.

No domingo, manifestações pró-governo em várias cidades do país defenderam a gestão de Jair Bolsonaro, as reformas propostas -- principalmente a da Previdência -- e dois de seus ministros, mas também centraram fogo no Congresso Nacional e no Supremo Tribunal Federal (STF).

Para o analista da Rico Investimentos Thiago Salomão, a abertura positiva do Ibovespa nesta segunda-feira já era esperada, considerando o saldo das manifestações do dia anterior, já que os muitos dos riscos do evento não se materializaram.

"Era um evento que tinha pouca chance de ganho para o governo e muito risco. O fato das manifestações terem sido 'ok' e a agenda de reformas ter sido lembrada pelos manifestantes traz um viés mais positivo para o ambiente doméstico", afirmou.

Bolsonaro reconheceu em entrevista no domingo que precisa conversar mais com as lideranças do Congresso, afirmando ter parte da culpa pela falta de diálogo, e disse que vai propor nesta semana um pacto aos presidentes do Legislativo e do Judiciário para colocar o Brasil no destino que a população quer.

No exterior, o volume de negócios era reduzido devido a feriados no Reino Unido e nos Estados Unidos, mas as atenções se voltavam para as eleições do Parlamento europeu, com os mercados ganhando sustentação diante do fato de partidos pró-Europa manterem a dianteira, segundo resultados preliminares.

DESTAQUES

- MAGAZINE LUIZA subia 1,75%, em meio a notícia de que a varejista elevou a oferta para compra da Netshoes de 2 para 3 dólares por ação, em uma proposta que avalia a empresa em cerca de 93 milhões de dólares. O conselho da Netshoes recomendou a aceitação da nova oferta pelos acionistas da companhia, segundo comunicado divulgado pela empresa ao mercado.

- USIMINAS subia 1,1%, após empresa informar que seu conselho de administração aprovou investimento de 1,234 bilhão de reais até 2022 para reforma de alto forno de sua usina em Ipatinga (MG) e em meio a anúncios de aumentos nos preços do aço no mercado interno. O conselho da companhia também aprovou investimento de 143,9 milhões de reais para construção de novo gasômetro para a usina mineira, em substituição a equipamento que explodiu em agosto do ano passado.

- PETROBRAS PN e PETROBRAS ON valorizavam-se 1% cada, tendo de pano de fundo a alta dos preços do petróleo no exterior. A estatal estabeleceu 7 de junho como prazo final para o envio de propostas não vinculantes por interessados na aquisição da Liquigás, sua distribuidora de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), disse uma fonte com conhecimento do assunto à Reuters.

- VALE tinha valorização de cerca de 3%, tendo de pano de fundo a alta dos preços do minério de ferro da China e apesar de preocupações de redução na oferta com o risco de rompimento da barragem de rejeitos da Vale em Barão de Cocais (MG).

- ITAÚ UNIBANCO PN e BRADESCO PN, em sessão em geral positiva para o setor de bancos, subiam cerca de 0,7 por cento cada.

- CIELO recuava 6,2%, maior queda do índice, depois da empresa de pagamentos informar na sexta-feira que desistiu da projeção de lucro para 2019 e reduziu fortemente a remuneração que distribuirá a acionistas. No sábado, o presidente-executivo da Cielo, Paulo Caffarelli, afirmou à Reuters que a empresa decidiu cortar dividendos para aumentar investimentos no competitivo mercado de meios de pagamentos do país.

(Por Stefani Inouye. Edição Alberto Alerigi Jr.)