Juro alto vem da dificuldade de recuperar crédito, diz BC

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que os juros elevados cobrados nas operações de crédito no país estão ligados à dificuldade de recuperação de crédito.
Em evento, ele apresentou uma comparação entre dados da economia brasileira e de países emergentes (excluindo Argentina e Turquia).
Segundo ele, o juro básico médio nesses países é de 5,4%, ante os 6,5% do Brasil, o que considerou parecidos. A inadimplência também é próxima, 2,7% e 2,9%.
O que muda, afirma, é o tempo de recuperação de crédito e também o percentual recuperado. Em países emergentes, 62% dos empréstimos em atraso são recuperados em um prazo de 1,7 ano.
No Brasil, apenas 13% se recupera, em prazo de quatro anos.
"Existem segmentos que gastam mais por recuperação do que recuperam", afirmou.
Campos Neto disse ainda que o recente aumento do spread (diferença de custo de captação e a taxa de juros cobrada dos clientes), apesar da estabilidade da taxa Selic, poderia ser explicado por dificuldades ainda maiores de recuperação.
"Grande parte do problema é que a recuperação é judicial", disse, acrescentando que a Justiça acaba desbloqueando garantias e dificultando a recuperação do dinheiro.
O presidente do BC acrescentou que outras dificuldades de avaliação de risco, como a assimetria de informação, causada pela ausência de cadastro positivo, estão sendo resolvidas.
Ele citou ainda o open banking, cujas diretrizes iniciais foram publicadas pelo Banco Central nesta quarta-feira.
As medidas estão em linha com as demandas dos bancos, que publicaram, no ano passado, um livro com 21 medidas para a redução dos juros no país.
Campos descartou algumas delas em sua apresentação, como a redução do compulsório.
Para Campos Neto, a queda dos juros ao consumidor foi mais modesta do que se esperava. Segundo ele, o spread alto "polui o canal de transmissão da política monetária entre o juro e o dinheiro na conta".
O presidente do BC defendeu ainda a independência da autoridade monetária, cujo projeto tramita no Congresso, com a possibilidade de queda da taxa de juros de forma sustentada.