Ghosn investigado por festança no Palácio de Versailles

A promotoria de Nanterre abriu uma investigação sobre as condições financeiras do casamento de Carlos Ghosn no Palácio de Versalhes, em outubro de 2016, informou nesta segunda-feira (11) uma fonte judicial. O ex-presidente da fabricante de automóveis Renault conseguiu alugar o palácio de Versalhes e o Grande Trianon para organizar a cerimônia, a um custo avaliado em 50.000 euros, em troca da assinatura de uma convenção de colaboração entre a automotiva francesa e a instituição pública que administra o prédio histórico. Ghosn assegura, por sua vez, que "pagou todos os gastos de seu casamento", embora tenha admitido que "a sala de Versalhes foi posta à disposição sem faturamento".