Petrobras corta US$ 8,1 bilhões até 2023

A Petrobras aprovou Plano de Resiliência, que faz adaptações no Plano de Negócios e Gestão 2019-2023, com corte de gastos operacionais de até US$ 8,1 bilhões no período. Segundo a companhia, esse novo plano foi estruturado em três alavancas de geração de valor. E a primeira delas é a ampliação do programa de desinvestimentos.

Para isso, a estatal prevê a inclusão de mais campos maduros de petróleo e gás localizados em terra e águas rasas, além de ativos de refino e logística, como o de Maromba, na Bacia de Campos, vendido à norueguesa BWO por US$ 90 milhões. O novo plano não contempla ainda a revisão do pacote de desinvestimento de refinarias, ainda em estudo. Na gestão anterior, a Petrobras venderia 60% das refinarias do Sul e do Nordeste. Agora, pode ampliar o desinvestimento na área: "Os desinvestimentos de ativos em que não somos donos naturais contribuem para melhorar a alocação do capital aumentando consequentemente a geração de valor (...) e viabilizam a redução do endividamento e do custo de capital", diz nota da empresa.

A Petrobras cita cortes de gastos com pessoal, com anúncio de programa de demissão voluntária, e de despesas discricionárias, como publicidade e patrocínios, além de otimização do uso de prédios administrativos (São Paulo, Nova Iorque, Tóquio).