Centrais reagem contra MP que exige autorização para imposto sindical

As entidades sindicais reagiram, ontem, a Medida Provisória 873, editada sexta-feira pelo presidente Jair Bolsonaro, para reforçar o caráter facultativo da contribuição sindical. O texto extingue a possibilidade de o valor ser descontado dos salários dos trabalhadores. O pagamento agora deverá ser feito por boleto, enviado a quem tenha previamente autorizado a cobrança.

A União Geral dos Trabalhadores (UGT) classificou a iniciativa de "golpe constitucional", criticou o fato de a MP ter sido publicada sem alarde às vésperas do Carnaval e prometeu acionar a Justiça contra a medida. A Força Sindical chamou a iniciativa de "AI-5 sindical", em referência ao ato que detonou o período de maior repressão durante a ditadura militar, e também promete questioná-la na Justiça.

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, argumentou em sua conta no Twitter que a medida é necessária devido ao "ativismo judiciário, que tem contraditado o Legislativo e permitido a cobrança" do imposto sindical. (Com Estadão Conteúdo)