Empresas americanas na China estão pessimistas para 2019

As empresas americanas que operam na China, preocupadas com o conflito comercial, são pessimistas sobre a situação econômica em 2019 e quase um quarto prevê adiar projetos de investimento, segundo estudo publicado nesta terça-feira (26).

De acordo com uma pesquisa com membros da Câmara de Comércio americana na China, 89% das empresas são pessimistas quanto ao relacionamento bilateral.

O estudo foi realizado no final do ano passado, em plena tensão comercial entre os dois países. Contudo, foi publicado na terça-feira, em um contexto diferente, no qual Pequim e Washington estão otimistas para chegar a um acordo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou na segunda-feira um projeto de cúpula com seu colega chinês, Xi Jinping, para "assinar" um acordo comercial, mas sem dar detalhes.

"Nossos membros esperam que a incerteza, as perdas e os atrasos causados por negociações e tensões comerciais tenham valido a pena", disse o presidente da Câmara, Tim Stratford, ao apresentar o relatório.

As tarifas que os Estados Unidos e a China impõem umas às outras para seus produtos penalizaram as empresas americanas, aumentando seus custos de produção e afetando a demanda dos consumidores chineses. Alguns até tiveram que despedir funcionários, de acordo com o estudo.

A guerra comercial é a principal preocupação das 314 empresas que responderam à pesquisa, qualquer que seja seu setor de atividade. Três quartos acreditam que a relação entre as duas economias se deteriorará ou permanecerá a mesma em 2019.

rwm/lth/bar/ehl/lth/pc/age/ll