Indicado para BC enfrenta sabatina

Acontece amanhã, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal, a sabatina do economista Roberto de Oliveira Campos Neto, indicado pela Presidência para o cargo de presidente do Banco Central. Ele assumirá o lugar de Ilan Goldfajn, que decidiu não permanecer à frente do BC por motivos pessoais, como alegou ainda no ano passado. Goldfajan permanece presidente do BC até a aprovação do sucessor no Senado.

O relatório do senador Eduardo Braga (MDB-AM) que indicava o nome de Roberto Campos Neto para chefiar o BC foi lido na última terça-feira (19). Nascido em 1969, ele graduou-se como bacharel em Economia em 1993 pela Universidade da Califórnia, Los Angeles, onde concluiu o mestrado na área dois anos depois. Tem longa trajetória no sistema financeiro, especialmente no banco Santander. Entre 2010 e 2018, foi membro do Conselho Executivo do Santander Investment no Brasil e no mundo. Foi membro do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, em 2018.

Macaque in the trees
Roberto Campos, futuro presidente do BC (Foto: Divulgação/Banco Central)

O postulante ao cargo é atualmente assessor do ministro da Economia, Paulo Guedes, e integrou a comitiva brasileira no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça. Além disso, é neto do economista, diplomata e escritor Roberto Campos (1917-2001), defensor do liberalismo econômico, que participou do governo Juscelino Kubitschek e foi ministro do Planejamento do governo Castello Branco. Seu avô foi deputado federal e senador, além de membro da Academia Brasileira de Letras e embaixador em Washington e Londres.