Trump: EUA e China mais perto de acordo

'Nossas tarifas estão ferindo a economia deles', diz presidente. Reuniões continuam na próxima semana

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou ontem que americanos e chineses estão "muito próximos" de um "acordo muito bom", que será positivo para os dois países. O comentário veio na esteira de uma nova rodada de negociações entre americanos e chineses em Pequim, encerrada ontem, e antes de novas conversas marcadas para a próxima semana em Washington.

"Sou um amigo do presidente da China, Xi Jinping. Nossas tarifas estão ferindo a economia deles. Nossa relação com a China está muito boa e, agora, eles respeitam o nosso país", afirmou o líder americano.

Em pronunciamento feito no jardim da Casa Branca, seguido de uma entrevista coletiva, Trump disse, novamente, que gosta de tarifas e que os EUA ganharam bilhões de dólares da China por causa delas. No entanto, de acordo com ele, "também adoro negociar e estamos fazendo isso agora com a China".

Trump se mostrou cético quanto a um aval da oposição democrata caso um acordo com os chineses seja firmado. "Qualquer acordo que fizermos será contestado pelos democratas", disse o republicano, citando, diretamente, o líder republicano no Senado dos EUA, Chuck Schumer.

Macaque in the trees
Fonte: US Census Bureau/AFP (Foto: AFP)

Segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua, autoridades de alto escalão da China e dos EUA chegaram a um consenso prévio sobre os principais assuntos da disputa comercial entre os dois países. Os dois lados "trabalharão duro" para chegar a um acordo comercial, afirmou a agência.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, também afirmou ontem que as conversas com as autoridades chinesas estão sendo produtivas, embora não tenha mencionado algum progresso concreto. Em uma mensagem no Twitter, Mnuchin classificou os encontros dos últimos dias como "produtivos".

"Reuniões produtivas com o vice-primeiro-ministro chinês, Liu He", escreveu Mnuchin no Twitter.

"Na próxima semana as duas partes se reunirão em Washington", disse o presidente da China, Xi Jinping, ao receber em Pequim os principais negociadores americanos após dois dias de conversações. "Espero que vocês continuem trabalhando duro para promover um acordo que seja mutuamente benéfico", completou.

"Tivemos dois dias muito bons de negociações", acrescentou o representante americano do Comércio, Robert Lighthizer.

Os EUA "se concentraram nos assuntos estruturais, como transferência de tecnologia, propriedade intelectual, roubos cibernéticos, agricultura, serviços, barreiras não-tarifárias e moedas", segundo a Casa Branca. Washington acrescentou que os dois governos discutiram a compra pela China de bens e serviços americanos para reduzir o "grande e persistente" déficit comercial bilateral.