Eleições na Espanha já têm data

madri - Dois dias depois de ver seu orçamento derrotado no Parlamento espanhol, o primeiro-ministro Pedro Sánchez anunciou ontem a data de novas eleições legislativas no país: 28 de abril. O pleito definirá o destino do chefe de governo - ainda completamente indefinido.

"Entre não fazer nada e continuar sem o orçamento ou pedir aos espanhóis que deem sua opinião, escolho a segunda opção. A Espanha precisa continuar avançando e progredindo com tolerância, respeito e bom senso. Propus dissolver o parlamento e convocar eleições para 28 de abril", anunciou Pedro Sánchez.

Comandando o menor governo minoritário desde a transição democrática na Espanha (com apenas 85 parlamentares do seu partido, o PSOE), o primeiro-ministro sofreu uma dura derrota no Parlamento na última quarta-feira ao ver seu orçamento naufragar devido a uma debandada dos independentistas catalães da base de apoio.

{'nm_midia_inter_thumb1':'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/02/15/97x70/1_000_1dh0zt-247025.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c66feec4166e', 'cd_midia':247032, 'ds_midia_link': 'https://midias.jb.com.br/_midias/jpg/2019/02/15/627x418/1_000_1dh0zt-247025.jpg', 'ds_midia': 'Primeiro-ministro socialista da Espanha, Pedro Sanchez, em coletiva de imprensa
', 'ds_midia_credi': 'Pierre-Philippe Marcou/AFP', 'ds_midia_titlo': 'Primeiro-ministro socialista da Espanha, Pedro Sanchez, em coletiva de imprensa
', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '627', 'cd_midia_h': '418', 'align': 'Left'}

O mandato do socialista terminaria em junho de 2020, mas ele foi obrigado a antecipar as eleições legislativas devido a implosão do seu bloco de apoiadores. Essa é a terceira votação para o Parlamento em três anos e meio, que acontecerão quatro semanas antes dos pleitos municipais, regionais e europeus.

O período de campanha começa apenas no dia 13 de abril, mas os partidos já se organizam para a disputa. Nas pesquisas divulgadas até agora, o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) aparece na ponta, mas longe de obter uma maioria de 176 deputados para governar sozinho. Segundo levantamento feito pelo "El País", os socialistas se apresentam com apenas 24% dos votos. Em seguida vem o direitista Partido Popular (PP), do ex-premiê Mariano Rajoy, 21%. O Cidadãos (Cs), de centro-direita, aparece em terceiro com 18%, enquanto a coligação de esquerda Unidos Podemos (UP) marca 15%. O Vox, partido de extrema-direita, aparece em quinto, com 11%.

Para o diário espanhol, essas estimativas definem um "momento da direita", afinal, somados, PP, Cs e Vox, apresentam 49%, e poderiam eleger um primeiro ministro com apoio de partidos regionais.

Apesar do levantamento do jornal, que uniu diversas pesquisas eleitorais, o cenário se apresenta muito instável, podendo haver mudanças bruscas nas bancadas da Câmara. Dessa forma, o adeus de Sánchez pode ser um até logo. "Tem sido um prazer e espero que possamos continuar a nos ver por um longo tempo", disse na coletiva.