Bolsas da Europa fecham na maioria em baixa, de olho em EUA, balanços e câmbio

As bolsas europeias fecharam sem sinal único, nesta quinta-feira, 14, após uma abertura mais positiva, porém seguida pela piora do humor após indicadores fracos dos Estados Unidos. Além disso, balanços corporativos e o movimento do câmbio estiveram no radar.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em baixa de 0,32%, a 363,80 pontos.

No começo dos negócios, o investidor europeu mostrou mais ânimo, com resultados corporativos de alguns setores, como o bancário. Commerzbank teve alta de 1,51% em Frankfurt, após seus resultados superarem a expectativa. Entre outros setores, em Paris o papel da Renault registrou ganho de 1,59%, após a montadora francesa publicar números que em geral agradaram os analistas.

Entre os indicadores, o Produto Interno Bruto (PIB) alemão ficou estável no quarto trimestre ante o terceiro, na preliminar, abaixo da projeção de alta de 0,1%, mas de qualquer modo evitando uma recessão, após contração de 0,2% entre julho e setembro.

Ao longo do pregão europeu, sinais de enfraquecimento da economia americana prejudicaram os negócios no continente. As vendas no varejo dos EUA, por exemplo, recuaram 1,2% em dezembro ante novembro, contrariando a previsão de alta de 0,1% dos analistas. Além disso, algumas reportagens apontavam que havia pouco progresso nas negociações comerciais entre EUA e China até agora.

Na bolsa de Londres, o índice FTSE-100 fechou em alta de 0,09%, em 7.197,01 pontos, ajudada pelo recuo da libra durante o pregão, diante do risco de uma saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) sem acordo, que pesaria mais na economia do país. AstraZeneca se destacou, em alta de 7,5% após a farmacêutica divulgar balanço com crescimento nas vendas em 2019. Micro Focus International ganhou 12,3%, depois que a companhia de softwares reportou alta de 9% em seus resultados subjacentes e estendeu o programa de recompra de ações. Por outro lado, a petroleira BP recuou 1,87%.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 0,69%, a 11.089,79 pontos. Deutsche Bank teve baixa de 2,55%, mas E.ON avançou 0,67%.

Na bolsa de Paris, o índice CAC-40 caiu 0,23%, a 5.062,52 pontos, fechando na mínima do dia. Crédit Agricole teve baixa de 0,86% e Société Générale, de 2,04%, entre os bancos franceses, enquanto a petroleira Total subiu 0,15%.

O índice FTSE-MIB, da bolsa de Milão, teve queda de 0,78%, a 19.834,96 pontos. Entre os papéis mais negociados, Intesa Sanpaolo caiu 1,44%, Telecom Italia cedeu 1,39% e Tiscali, 0,67%. Fiat Chrysler recuou 1,39%.

Em Madri, o índice IBEX-35 fechou em baixa de 0,33%, a 8.952,50 pontos. Santander recuou 0,92% e BBVA, 1,43%, enquanto Banco de Sabadell teve alta de 1,14%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 avançou 0,33%, a 5.087,46 pontos. Banco Comercial Português teve baixa de 0,53%, mas EDP-Energias de Portugal subiu 2,45% e Galp Energia teve ganho de 0,72%. (Com informações da Dow Jones Newswires)