Bolsonaro define hoje reforma

Em entrevista concedida à TV Record pouco antes de deixar o Hospital Albert Einstein, ontem, o presidente Jair Bolsonaro disse que "baterá o martelo" sobre o texto final da reforma da Previdência, que será encaminhada para a Câmara dos Deputados. O presidente afirmou que irá decidir hoje a proposta de idade mínima para homens entre 62 ou 65 anos; e para as mulheres, entre 57 ou 60 anos. Em relação a mudanças na aposentadoria dos militares, Bolsonaro disse que um futuro regime será adotado também para policiais militares, civis e bombeiros.

Apesar do otimismo do presidente, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, não garantia que a reforma fosse apresentada, com agilidade, na próxima semana ao Congresso. Um pouco mais cedo, Onyx afirmara que o envio do texto depende do presidente e pode ocorrer só daqui a 15 dias, entre os dias 25 e 28, e que a reforma "provavelmente deve ser apresentada até o final do mês". Em palestra, ontem em Brasília, Onyx voltou a defender uma reforma "fraterna".

"Uma reforma que ao separar a Previdência da assistência vai ser de verdade, transparente e vai tratar diretamente com as pessoas com clareza. Quem faz Previdência faz um seguro que tem que ser respeitado. Aquela parcela da sociedade que precisa do apoio do Estado, que é importante que todos nós, que tivemos mais sucesso, possamos compartilhar esse sucesso acolhendo, vai estar lá."

Ele procurou garantir que a reforma será fiscalmente responsável. "Quando olhamos para a nova Previdência que vai ser apresentada provavelmente antes do final do mês de fevereiro, vocês vão ver algo fiscalmente responsável, porque vamos buscar em 10 anos mais de R$ 1,2 trilhão em resultado para o governo."