Comércio é retomado entre Iraque e Jordânia

O comércio transfronteiriço foi retomado neste sábado (2) na única passagem entre Iraque e Jordânia, que reabriu em agosto de 2017 após permanecer fechada durante três anos pela presença de extremistas do Estado Islâmico (EI).

Os primeiros ministros iraquiano, Adel Abdel Mahdi, e jordaniano, Omar al-Razzaz, se reuniram com vários ministros na passagem fronteiriça de Treibil, chamada Al-Karameh do lado jordaniano, onde anunciaram a sua intenção de construir uma zona franca industrial comum e impulsionar medidas para aumentar as trocas comerciais.

Os dois países concordaram no sábado que o Iraque "fornecerá 10.000 barris de petróleo por dia de Kirkuk", que serão transportados para a Jordânia com caminhões, informou a agência jordaniana Petra.

Amã também pretende construir um oleoduto em Basra, no extremo sul do Iraque, até seu porto de Aqaba. Neste sábado, os dois países indicaram que haviam iniciado os estudos para a sua construção.

Em meados de janeiro, o rei Abdullah II da Jordânia visitou Bagdá pela segunda vez em mais de 10 anos, depois de vários encontros entre responsáveis de alto escalão dos dois países.

Todos evocaram a questão da eletricidade, que é cronicamente escassa no Iraque há anos.

Para obter uma isenção temporária de Washington de sua última rodada de sanções contra o Irã, Bagdá anunciou que queria comprar eletricidade de Jordânia, Turquia e Kuwait.

Neste sábado, Amã e Bagdá concordaram em lançar operações de conexão para que "a Jordânia exporte eletricidade para o Iraque dentro de dois anos", segundo Petra.

Além disso, a partir deste sábado, 393 produtos jordanianos estão isentos de tarifas no Iraque.