BRF renova créditos de R$ 875 mi

A BRF concluiu a estruturação do Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC BRF), com a distribuição inicial das cotas em três classes, num volume agregado de R$ 875 milhões. O montante supera a estimativa inicial de R$ 750 milhões.

A taxa negociada das cotas seniores, que representam 90% da emissão, foi CDI + 0,90% ao ano. A demanda, acrescenta a BRF, foi de aproximadamente R$ 2 bilhões.

O Banco Bradesco atuará como custodiante, a BEM DTVM como administradora e a Bradesco Asset Management - BRAM será a gestora do fundo.

Com isso, a companhia conclui mais uma etapa do plano de reestruturação operacional e financeira, que prevê a monetização de aproximadamente R$ 5 bilhões distribuídos em diversas iniciativas.

O valor das operações já assinadas dentro do plano, incluindo a venda de Avex anunciada ontem, somam cerca de R$ 1,9 bilhão. Os recursos irão contribuir com o processo de desalavancagem e serão utilizados na amortização do seu passivo financeiro ao longo de 2019.

Crédito e reescalonamento

Aliado a isso, a BRF também contratou R$ 500 milhões em linhas de financiamento com o Banco BTG Pactual, sendo R$ 375 milhões em Nota de Crédito à Exportação (NCE) com prazo de 2 anos e R$ 125 milhões em Cédula de Crédito Bancário - Rural (CCB) com prazo de 396 dias corridos. O grupo ainda aditou e reescalonou contratos de financiamento no valor de R$ 549 milhões com o Itaú Unibanco. Desse total, aproximadamente R$ 399 milhões são em CCB com vencimento em junho de 2020 e R$ 150 milhões em NCE.