GSK forma joint venture com a Pfizer

Os laboratórios farmacêuticos britânico GSK (GlaxoSmithKline) e americano Pfizer anunciaram ontem a fusão de suas atividades de medicamentos sem receita, o que vai criar uma joint venture com volume de negócios de US$ 12,7 bilhões.

“GSK concluiu um acordo com a Pfizer para combinar sua atividade em uma empresa conjunta de amplitude mundial, com faturamento de 9,8 bilhões de libras (US$ 12,7 bilhões)”, anunciou a empresa em comunicado. “A GSK terá a maior parte do controle, 68%, e a Pfizer 32% nesta empresa”, completa a nota do laboratório.

Para a Pfizer, que publicou um comunicado com as mesmas informações, o acordo resolve a questão do que fazer com a divisão de saúde do consumidor, que inclui os analgésicos Advil e as vitaminas Centrum, após uma tentativa frustrada de vendê-la no início deste ano.

A GSK, cujos produtos de consumo incluem o creme dental Sensodyne e analgésicos Panadol, afirmou que o acordo estabeleceu as bases para a criação de duas novas empresas globais baseadas no Reino Unido, focadas em produtos farmacêuticos e vacinas, e saúde do consumidor, dentro de três anos após o fechamento da transação.

Para ser concretizada, a criação da nova empresa precisa da aprovação dos acionistas da GSK e da autorização das autoridades que regulamentam a concorrência. A GSK prevê que a fusão se tornará efetiva no segundo semestre de 2019.