Jornal do Brasil

Economia

BC reduz, na ata, projeção de reajuste de administrados

Jornal do Brasil

O Banco Central (BC) reduziu as projeções para a alta dos preços administrados em 2018 e 2019, conforme a ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada na manhã desta terça-feira, 18. Para este ano, o índice calculado passou de 7,4% para 6,1% no cenário de mercado. Para o próximo ano, o porcentual esperado caiu de 5,6% para 5,1%. Já a projeção para 2020 nesse cenário foi mantida em 3,9%.

As estimativas anteriores constavam na ata do encontro de outubro do Copom. O cenário de mercado utiliza como parâmetros as projeções para câmbio e juros do Relatório de Mercado Focus.

No cenário de referência, que utiliza como parâmetros câmbio constante a R$ 3,85 e juros constantes a 6,50% ao ano, a projeção para a alta dos preços administrados em 2018 caiu de 7,3% para 6,1%. No caso de 2019, recuou de 5,4% para 5,2% e, para 2020, caiu de 4,1% para 4,0%.

Na segunda-feira, dia 17, o Focus indicou que a estimativa para 2018 no mercado financeiro é de elevação de 6,69% dos administrados. Para 2019, a expectativa está em 4,75% e, para 2020, em 4,00%.

As projeções para os preços administrados ajudaram a formar a base para que o colegiado mantivesse na semana passada a Selic (a taxa básica de juros) em 6,50% ao ano. Foi o sexta encontro consecutivo em que o colegiado não alterou a taxa básica.

IPCA

A ata do Banco Central agora divulgada também indica que a projeção para o IPCA de 2018 no cenário de mercado está em 3,7%. Já a projeção para 2019 é de 3,9% e, para 2020, de 3,6%. São os mesmos valores citados no comunicado que acompanhou a decisão sobre a Selic do colegiado na semana passada.