Jornal do Brasil

Economia

Começar 2018 com a inflação abaixo da meta se mostrou útil, diz Ilan

Jornal do Brasil

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, afirmou nesta segunda-feira, 3, que começar 2018 com a inflação abaixo da meta fixada pelo governo federal foi importante para enfrentar problemas ocorridos ao longo do ano. Ele destacou a piora no cenário externo, com depreciação das moedas de países emergentes, e o ambiente doméstico volátil como exemplos de desafios.

"Começar 2018 com a inflação abaixo da meta se mostrou útil", afirmou Ilan Goldfajn, em apresentação durante evento promovido pelo Centro de Economia Mundial da Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Macaque in the trees
Ilan Goldfajn (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

Ele classificou a recuperação econômica como gradual, mas consistente. "O ano de 2018 foi um ano de desafios. O ambiente foi desafiador para as economias emergentes. Houve depreciação nas moedas de todos os emergentes, eu diria em torno de 10%", disse.

Os slides apresentados pelo presidente do BC estão disponíveis no site do órgão. As observações sobre o cenário de 2018 foram feitas após Ilan Goldfajn defender a estratégia da política monetária desde 2016.

O presidente do BC voltou a lembrar das pressões pela adoção de uma meta de inflação ajustada, no início de sua gestão. E comemorou o fato de a inflação terminar na meta já em 2017, ano seguinte à sua posse.

Em 2017, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou em 2,95%, bem aquém do centro da meta de 4,50%. Já para este ano, a mediana nas pesquisa Focus é de 3,89%, também inferior ao alvo da meta.

"Uma vez a inflação consolidada, este ano, tivemos a satisfação de manter a taxa de juro básica em mínimas históricas", afirmou Ilan Goldfajn.

O presidente do BC defendeu a política monetária baseada na comunicação e no gerenciamento das expectativas de inflação.

Segundo Ilan, é a queda nas expectativas, em primeiro lugar, que leva à inflação mais baixa. "Depois é que veio a queda na inflação. Isso permitiu que a taxa de juro caísse de 14% para 6,5%", disse.