Jornal do Brasil

Economia

Nissan confirma votação unânime para afastar Ghosn da presidência

Jornal do Brasil

O conselho administrativo da Nissan aprovou nesta quinta-feira de forma unânime o afastamento de Carlos Ghosn de seu cargo de presidente, dois dias depois de sua prisão em Tóquio por suposta fraude fiscal, informou a imprensa local.

"Depois de analisar um relatório detalhado da investigação interna, a diretoria votou por unanimidade para dispensar Carlos Ghosn como presidente do conselho", afirma o comunicado.

Macaque in the trees
Carlos Ghosn (Foto: Johannes Eisele/ AFP)

A reunião aconteceu na sede do grupo, em Yokohama, com duração prevista de duas horas.

A portas fechadas, seis homens e uma mulher decidiram o destino do até agora CEO da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi Motors.

Ghosn permanece em silêncio em uma cela de um centro de detenção da capital japonesa.

De acordo com uma fonte próxima à diretoria do grupo, qualquer outro cenário seria improvável. "A proposta não seria submetida à votação se existisse qualquer dúvida", declarou.

Hiroto Saikawa, diretor executivo da montadora desde abril de 2017, coordenou os debates.

A princípio um substituto interino será designado, provavelmente Saikawa, que já foi o braço direito de Ghosn, mas que criticou o executivo duramente na segunda-feira.

Além disso, a Procuradoria deve conceder uma entrevista coletiva. As revelações sobre as atividades do executivo de 64 anos não param de ser divulgadas pela imprensa nipônica.

Oficialmente, o franco-brasileiro de origem libanesa é acusado de ter, ao lado de cúmplices, "minimizado seus rendimentos em cinco oportunidades entre junho de 2011 e junho de 2015", declarando ao fisco uma renda de 4,9 bilhões de ienes (37 milhões de euros), ao invés de quase 10 bilhões de ienes.

Também é suspeito de abuso de bens sociais, de acordo com uma investigação interna da Nissan nos últimos meses.

Na quarta-feira, um tribunal distrital de Tóquio prorrogou por 10 dias a detenção para permitir a continuidade das investigações. O período pode voltar a ser ampliado, de acordo com as regras do sistema judicial japonês.

A Mitsubishi Motors (MMC) também prevê a demissão de Ghosn em um conselho na próxima semana.

Na Renault prevalece a prudência. O conselho de administração pediu a Nissan que transmita o "conjunto das informações que possui no âmbito das investigações internas contra Ghosn".

A montadora francesa nomeou Thierry Bolloré, número dois da empresa, para assumir o posto de Ghosn de forma interina.