Bloomberg doa para a sua universidade

O ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg anunciou que vai doar US$ 1,8 bilhão de dólares para a Universidade Johns Hopkins. É a maior doação conhecida para uma instituição de ensino superior.

Bloomberg afirmou que a doação pretende ajudar os estudantes com baixa e média renda a pagar pelos estudos universitários, em um país onde os custos do ensino superior em centros de elite superam US$ 50 mil dólares ao ano, uma barreira intransponível para a maioria das famílias.

“Eu tive sorte: meu pai era um contador e nunca recebeu mais de 6.000 dólares por ano. Mas eu tive condições de pagar a Universidade Johns Hopkins com um empréstimo estudantil da Defesa Nacional e ao manter um emprego no campus”, escreveu Bloomberg em um artigo publicado no “The New York Times”. “Meu diploma de Hopkins abriu portas que de outra maneira teriam permanecido fechadas, e me permitiu viver o sonho americano”.

Macaque in the trees
Bloomberg estudou na Johns Hopkins com empréstimo estudantil da Defesa Nacional (Foto: Bill Pugliano/Getty Images north america/afp)

Bloomberg, que fez sua primeira doação de US$ 5 dólares à universidade um ano depois de sua formatura, já doou desde então US$ 1,5 bilhão para as áreas de pesquisas, ensino e financiamento.

A nova doação será adicionada às anteriores e servirá como ajuda ao financiamento para estudantes qualificados de famílias com baixo nível de renda.

“Quero garantir que a universidade que meu deu uma oportunidade será capaz de abrir permanentemente a outros a mesma porta de oportunidade”, escreveu Bloomberg.

O empresário, no entanto, reconheceu que sua doação ajuda apenas um centro universitário em um país onde há mais estudantes em uma dezena de centros de elite que pertencem ao 1% das famílias mais ricas que alunos que procedem de 60% das famílias mais pobres.

E isto apesar de muitos estudantes de baixa renda terem as mesmas qualificações para serem aceitos, destacou Bloomberg. “Estes passos sozinhos não são suficientes. Os subsídios federais não acompanharam o ritmo do aumento dos preços e os estados reduziram a ajuda estudantil. As doações privadas não podem nem devem compensar a falta de apoio governamental”, completou.