Jornal do Brasil

Economia

Taxas futuras de juros acompanham avanço do dólar

Jornal do Brasil

Os juros futuros passaram a subir nesta terça-feira, 30, em meio à alta do dólar ante o real no mercado à vista e diante do humor moderado dos investidores. Na segunda-feira, 29, as taxas fecharam perto da estabilidade e tiveram viés de alta na sessão estendida.

Às 10h, o DI para janeiro de 2020 subia a 7,31%, de 7,29% no ajuste da véspera. O DI para janeiro de 2021 avançava a 8,25%, de 8,22% no ajuste de segunda-feira. No câmbio, o dólar à vista estava em alta de 0,10%, a R$ 3,7068. O dólar futuro de novembro caía 0,27%, a R$ 3,7095.

Os ajustes no câmbio sofrem influências de interesses relacionados com a rolagem de contratos cambiais e da alta do dólar ante moedas principais no exterior.

Internamente, as atenções se voltam para as medidas que podem vir a ser adotadas pelo futuro governo, como colocar parte da reforma da Previdência em votação ainda este ano e usar parte das reservas internacionais do País, visando diminuir a dívida pública e a despesa com juros.

Também está no foco a reunião entre o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL) e o economista de sua campanha, Paulo Guedes, para definição da equipe econômica do novo governo.

Na agenda, há expectativas pelo leilão do Tesouro de até 650 mil NTN-Bs (11h45). Mais cedo, foram divulgados uma desaceleração do IGP-M de outubro e os dados da Pnad Contínua em linha com a mediana das projeções do mercado.

A taxa de desocupação no Brasil ficou em 11,9% no trimestre encerrado em setembro, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

O resultado veio igual à mediana das estimativas do mercado financeiro, captadas pelo Projeções Broadcast. Assim, o resultado veio dentro do intervalo das expectativas, que ia de 11,7% e 12,3%. Em igual período de 2017, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 12,4%. No trimestre encerrado em agosto, o resultado ficou em 12,1%.

Já o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) desacelerou a alta de 1,52% em setembro para 0,89% em outubro. Assim, o indicador avançou tanto na comparação em 12 meses, indo a 10,79%, como no ano até outubro, acumulando 9,25%. O resultado do IGP-M deste mês ficou dentro do intervalo das 31 estimativas da pesquisa do Projeções Broadcast de 0,79% a 1,05%, mas menor que a mediana de 0,91%.

 



Recomendadas para você