Ibovespa tem pregão de oscilações contidas e fecha perto da estabilidade

O Índice Bovespa voltou a mostrar pouco fôlego nesta quinta-feira, 20, para avançar rumo a novas resistências e teve um pregão de instabilidade, alternando pequenas altas e baixas ao longo do dia. O desempenho positivo das bolsas de Nova York e a queda do dólar real foram referências positivas, que acabaram por limitar o movimento de realização de lucros visto desde a véspera. Nesse ambiente, o Ibovespa terminou o dia aos 78.116,01 pontos, em baixa de 0,07%.

A escassez de notícias acabou por figurar como um pano de fundo positivo, uma vez que não houve sobressaltos nem com o cenário internacional, nem com o front eleitoral doméstico. Lá fora, os investidores continuaram a relativizar os atritos comerciais entre Estados Unidos e China. Por aqui, a última pesquisa Datafolha teve interpretações diversas, mas nenhuma apontando para uma mudança de cenário.

Para Sabrina Cassiano, analista da Coinvalores, apesar do clima menos tenso, o quadro eleitoral ainda em aberto motiva o investidor a manter postura mais cautelosa. Esse seria um dos motivos, segundo ela, do descolamento do Ibovespa em relação às altas das bolsas de Nova York hoje. Outro fator de prudência apontado pela analista foi o tom mais duro do comunicado do Copom, que concluiu ontem sua reunião periódica, na qual a taxa Selic foi mantida em 6,5%. "O Copom sinalizou que pode voltar a elevar juros ainda este ano", afirmou.

A queda do dólar para o patamar dos R$ 4,07 foi fator positivo no mercado em geral, mas pressionou para baixo as ações de empresas exportadoras, que ultimamente vinham ganhando com a valorização da moeda americana. JBS ON terminou o dia com perda de 3,24% e Embraer ON cedeu 2,40%. Na ponta contrária esteve Gol PN, com ganho de 5,62%, atribuído ao impacto positivo da queda do dólar nas contas da companhia.

Na análise por ações, tiveram papel determinante para a baixa do Ibovespa as quedas das ações da Petrobras (-0,69% na ON e -0,55% na PN) e dos papéis do setor financeiro, como Itaú Unibanco PN (-0,65%). Os papéis da Petrobras acompanharam as quedas dos preços do petróleo no mercado internacional. Por outro lado, Vale ON, ação de maior peso na carteira do Ibovespa, subiu 1,26% e impediu uma queda maior no resultado final do indicador.