Bolsas da Europa fecham sem sinal único com decisões monetárias, Brexit e Itália

Em um dia de decisões de grandes bancos centrais, os mercados acionários da Europa fecharam nesta quinta-feira (13), com sinais mistos, enquanto digerem o panorama para a economia europeia pintado pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, e monitoram Brexit e Itália. O índice pan-europeu Stoxx-600 registrou queda de 0,15%, aos 376,53 pontos.

O BCE decidiu manter sua taxa básica de juros inalterada em 0% e deixou a taxa de depósitos em -0,4%, como esperava o mercado. A autoridade monetária da zona do euro também reafirmou o plano de manter os juros nos níveis atuais "pelo menos até durante o verão de 2019".

Após a decisão, Draghi revelou as perspectivas dos dirigentes para a economia da zona do euro, com o Produto Interno Bruto (PIB) da região passando de 2,1% para 2,0% este ano e, considerando 2019, as projeções de crescimento passaram de 1,9% para 1,8%. Quanto à inflação medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da região, o BCE manteve inalterada a previsão de 1,7%. Além disso, Draghi afirmou que a instituição projeta um "núcleo da inflação significativamente mais forte", o que deu força ao euro.

O presidente do BCE foi questionado sobre a alta nos juros dos bônus da Itália. Ele comentou que o quadro no país até agora não causou efeitos disseminados em outras nações. Mais cedo, foram divulgadas reportagens segundo as quais o ministro das Finanças italiano, Giovanni Tria, ameaçou renunciar por discordâncias sobre o orçamento para o próximo ano fiscal, embora outros relatos negassem essa possibilidade. "Isso tudo mostra a fragilidade do governo atual e de quaisquer promessas feitas", avalia o banco ING. O índice FTSE MIB, em Milão, registrou queda de 0,56%, para 20.846,18 pontos.

O Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês) também optou por manter, como era esperado, a taxa de juros inalterada em 0,75%. A bolsa de Londres chegou a reduzir perdas após a decisão, mas o índice FTSE 100 fechou em queda de 0,43%, aos 7.281,57 pontos, em meio ao avanço da libra, que subiu ante o dólar após a inflação ao consumidor dos EUA vir abaixo do esperado pelo mercado. Em relação à saída do país do bloco europeu, o secretário do Reino Unido para o Brexit, Dominic Raab, alertou a União Europeia (UE) de que o país só fará o pagamento total do divórcio se houver um acordo no âmbito do processo de divórcio.

Nos outras praças europeias, o índice DAX, de Frankfurt, avançou 0,19%, aos 12.055,55 pontos, enquanto o CAC 40, de Paris, recuou 0,08%, para 5.328,12 pontos. O Ibex 35 ganhou 0,24% em Madri, aos 9.329,20 pontos, ao passo que em Lisboa o PSI 20 subiu 0,15%, aos 5.315,06 pontos.