Techs apresentam forte queda e Nasdaq fecha em NY em queda de mais de 1%

Os mercados acionários americanos encerraram o pregão desta quarta-feira, 4, sem direção única, em uma sessão marcada pela forte queda de papéis de tecnologia, que pesaram no índice Nasdaq, à medida que os investidores monitoraram os depoimentos de executivos do Facebook e do Twitter no Congresso dos Estados Unidos.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,09%, aos 25.974,99 pontos, destoando do S&P 500, que caiu 0,28%, para 2.888,60 pontos, e do Nasdaq, que cedeu 1,19%, para 7.995,17 pontos, perdendo a marca dos 8 mil pontos.

Ações de giant techs despencaram nesta quarta-feira quando a diretora operacional do Facebook, Sheryl Sandberg, e o presidente-executivo do Twitter, Jack Dorsey, prestaram depoimento no Congresso americano, sobre seus esforços para evitar novas interferências nas futuras eleições no país. A onda vendedora atingiu não somente as ações de mídias sociais, objeto das investigações no Capitólio sobre a eleição presidencial de 2016, mas também fabricantes de chips, desenvolvedores de software, serviços de streaming online e fabricantes de videogames.

O Facebook fechou em queda de 2,33% e o Twitter encerrou o dia em baixa de 6,17%, enquanto a Alphabet, que não enviou um representante para a sessão no Congresso, perdeu 1,01%. A gigante de streaming Netflix caiu 6,17%, enquanto a Intel cedeu 0,50% e a Activision Blizzard, proprietária de jogos online, baixou 1,82%. Ao todo, 59 das 73 empresas do setor de tecnologia do S&P 500 registraram perdas no dia, um recuo que surpreendeu, já que o grupo apresenta o melhor desempenho no índice como um todo.

"Mídias sociais, cibersegurança, nuvem... Todas essas áreas se saíram excepcionalmente bem este ano. Como resultado, quanto até mesmo um punhado de empresas de tecnologia está envolvido em controvérsias, existe o potencial para muito mais consequências", disse o diretor-executivo a analista técnico da Instinet, Frank Cappelleri.

Indicadores também estiveram no radar dos agentes do mercado em solo americano, com o índice das condições empresariais da região de Nova York, elaborado pelo Instituto para Gestão de Oferta (ISM, na sigla em inglês), subindo de 75,0 em julho para 76,5 em agosto, na máxima em 12 anos. Papéis do segmento de consumo foram ajudados, com as ações da Coca-Cola em alta de 1,39% e as da Johnson & Johnson com ganho de 1,60%. (Com informações da Dow Jones Newswires)