Petrobras puxa recorde de R$ 26 bi

Mas, se a capitalização não tivesse acontecido, r esultado fiscal seria péssimo

O go v erno di vulgou ontem o superávit primário de setem- br o , um r ecor de: R$ 26,1 bi- lhões. O v alor , que é usado par a honr ar compr omissos finan- ceir os, f oi impulsionado pela capitalização da P etr obr as, r esponsáv el por R$ 31,9 bi- lhões do total acum ulado . No total de 2010, o superávit é de R$ 55,706 bilhões. Caso a capitalização da empr esa não ti v esse acontecido , o r esultado fiscal deste ano seria o pior já r egistr ado . A pesar da r obusta ajuda que a oper ação deu ao desempenho fiscal br asileir o , o go v erno ne - gou que o f oco da ação f osse es - tim ular o superávit e e vitar um r esultado negati v o justamente n um ano de campanha. – A oper ação da P etr obr as permitiu não só um r esultado fiscal bom, mas também o au- mento da participação da União na empr esa – inf ormou o secr etário do T esour o Nacio- nal, Arno A ugustin, à Agência Br asil. – Houv e in v estimentos f ortes, com a participação go- v ernamental, e isso é e xcelen- te por que v ai ger ar di videndos par a o país no futur o . O r esultado só não f oi maior por causa do aumento de R$ 89,2 bilhões nos gastos do T e - sour o Nacional em r elação ao ano passado . P ar a A ugustin, o cr escimento dos gastos é r efle- xo dos in v estimentos do go v e r- no em infr a-estrutur a. – A maior parte do cr esci - mento de despesas que o Br a - sil te v e v em do aumento de in v e stimentos. A despesa pú - blica cr esce junto com in v es - timentos.

AJUDA

– Operação da Petr obras injetou R$ 31,9 bilhões no mer cadoDivulgação