As vantagens da aliança

-->Sociedade aber ta-->Ivan Postigo-->E C O N O M I S TA-->As indústrias, par a coloca- r em seus pr odutos à dis- posição do consumidor , dependem de r e v endedor es e estes, por sua v ez, par a ter em acesso a pr odutos dependem das indústrias. V isto dessa f or- ma podemos imaginar que os encontr os são festi v os, certo? De v eriam, mas nem todos são assim. Há uma oferta a bundan- te de pr odutos no mer cado , m ui- tos par ecidos, a concorrência é acirr ada, o que aca ba pr e v ale- cendo é o menor pr eço . T emos que consider ar as e xce - ções, pois alguns têm um apelo maior , estão na moda , e a questão pr eço aca ba não sendo f ator pr e - ponder ante de escolha. Há, ainda, as situações onde a indústria pr es - ta um ser viço e apoio difer enciado ao comér cio , f acilitando o conhe - cimento e acesso aos seus pr o - dutos, o que f az com que o r e - v endedor opte por sua mar ca. Ao ser em r eati v as, r apida- mente uma indústria copia a ou- tr a, le v ando no v a mente a q ues- tão par a o campo dos pr eços. O r e v endedor r ece be do mer cado inúmer as pr opostas m uito par e- cidas e com o tempo torna-se e xtr emamente seleti v o . O en- contr o de r epr esentantes dos r e - v endedor es e das indústrias f o r- nece a ambos conhecimentos importantes se f or em bem e x - plor ados e não se concentr ar em apenas na luta pelo menor pr eço par a um e maior par a o outr o . Inf ormação sobr e pr odutos, ser - viços, mer cado , cooper ação e com - petição , coopetição que é a união dos dois, moti v ação de equipes, consumidor es, tendências, atuali - zação , v alorização dos negócios, são temas que podem e de v em ser tr atados nessas r euniões. Diz er que f a bricamos pr odutos com ma - térias-primas das melhor es pr o - cedências, com mão de obr a qua - lificada, rigor oso contr ole de qua - lidade, com menor custo e o maior benefício , ser v e como ar gumento par a balinhas e a viões. A questão é: O que o consumidor quer? T al - v ez uma etiqueta, ou estampa na r oupa, que o coloque em destaque ou o integ r e a um g rupo no meio em que vi v e super e toda a ar - gumentação acima. Ao entender o mer cado con- sumidor , a indústria e o r e v en- dedor podem criar v alor es par a os pr odutos e destacá-los. É v er- dade que essa captação de co- nhecimentos é dificultada pelo distanciamento do consumidor , pois os compr ador es de m uitos r e v endedor es pouco contato tem com este e pelo lado da indústria a questão é mais com- ple xa, seus agentes r ar amente con v er sam com as pessoas. Com isso , m uitas alianças entr e in- dústrias e r e v endedor es demo- r am a acontecer e se f ortalecer , de vido a f alta de inf ormação .