Contas externas terão rombo de US$ 60 bilhões

-->Banco Central pr evê para 2011 um déficit igual a quase 3% do Pr oduto Inter no Br uto-->O Banco Centr al di vulgou on- tem, pela primeir a v ez, sua e x - pectati v a par a 2011. A pr ojeção é que a conta corr ente de pa- gamento (r egistr o das tr ansa- ções de compr a e v enda de mer- cadorias e ser viços no e xterior) de v erá ter um déficit de US$ 60 bilhões. O que equi v ale a 2,78% do Pr oduto Interno Bruto (PIB). No caso de a p r ojeção se con- firmar , este será o m aior déficit desde 1947, quando te v e início a série histórica. Segundo o BC, par a este ano o déficit em tr an- sações corr entes mante v e-se es- táv el em US$ 49 bilhões, o que r epr esenta 2,49% do PIB. Segundo Altamir Lopes, c hefe do Departamento Econômico do Banco Centr al, os v alor es no pas - sado já f or am maior es. – Ha via uma car ga de jur os ele v ada. A car ga de jur os deixou de ser um peso , um componente que causa v a v olatilidade par a as tr ansações corr entes– disse, lembr ando que a pr ojeção de despesa líquida de jur os, par a este ano é de US$ 9,4 bilhões, e de US$ 9,5 bilhões, par a 2011. De janeir o a agosto deste ano , o déficit em tr ansações corr en- tes está em US$ 31,122 bilhões, contr a US$ 9,609 bilhões r egis- tr ados em igual período de 2009. Em agosto , o déficit em tr an- sações corr entes ficou em US$ 2,861 bilhões, e a pr e visão par a este mês é de US$ 3,8 bilhões. O Banco Centr al alter ou sua es - timati v a par a o superávit comer - cial, que subiu de US$ 13 bilhões par a US$ 15 bilhões. Houv e tam - bém r e visão na pr ojeção das e x - portações, que passar am de US$ 185 bilhões par a US$ 192 bilhões. Nas importações, a estimati v a su - biu de US$ 172 bilhões par a US$ 177 bilhões. Em 2011, a pr e visão do superávit comer cial ficou em US$ 11 bilhões, com e xportações de US$ 230 bilhões e importações de US$ 219 bilhões. Há uma es - timati v a na ele v ação das r emessas de lucr os ao e xterior , ocasionadas pelo cr escimento econômico . Este ano , a pr e visão f oi mantida em US$ 32 bilhões e subiu no ano que v em par a US$ 36 bilhões.-->Gastos de turistas brasileiros fora do país batem recorde-->Os gastos de br asileir os em via - gem ao e xterior bater am r ecor de em agosto . Segundo dados do Ban - co Centr al (BC) di vulgados ontem, de janeir o a agosto deste ano , essas despesas ficar am em US$ 9,888 bilhões, contr a US$ 6,414 bilhões do mesmo período de 2009. As despesas r egistr adas nos oito me - ses do ano são r ecor de par a o pe - ríodo na série histórica do BC, ini - ciada em 1947. Só no mês passado , esses gastos c hegar am a US$ 1,302 bilhão . Nes - te mês, até ontem, as despesas de br asileir os no e xterior estão em US$ 1,012 bilhão . As despesas de estr angeir os no Br asil ficar am em US$ 3,867 bi - lhões nos oito meses do ano , en - quanto no mesmo período de 2009 c hegar am a US$ 3,467 bilhões. No mês passado , os estr angeir os dei - xar am no país US$ 489 milhões. De vido ao aumento das des- pesas de br asileir os no e xterior maior do que as r eceitas deixa- das por estr angeir os no Br asil, o BC r e visou a pr ojeção de déficit na conta de viagens de US$ 8 bilhões par a U S$ 10 bilhões. P a - r a 2011, a pr e visão de déficit é de US$ 11,5 bilhões. De janeir o a agosto deste ano , o déficit ficou em US$ 6,021 bilhões, contr a US$ 2,947 bilhões r egistr a - dos em igual período de 2009. Esse r esultado de oito meses também é o m aior r egistr ado no período . O déficit de US$ 813 milhões do mês passado também é r ecor de. Segundo o c hefe do Departa - mento Econômico do BC, Altamir Lopes, a r enda dos br asileir os tem cr escido , e por isso , há um aumento das viagens ao e xterior , “sem a contr apartida r elacionada ao tu - rista estr angeir o no Br asil”. No ca - so dos estr angeir os, ele e xplicou que, como a economia m undial está cr escendo a uma taxa que pouco e xpr essi v a, as viagens par a o Br asil se e xpandir am pouco .-->US$ 1,3 bi-->é o quanto os brasileiros gastaram em turismo fora do país só no mês passado-->EXPANSÃO – Bonança econômica fez brasileir o viajar mais