EDITORAIL

Autoridade da polícia do Rio está em chamas

DEPOIS DASFALSAS blit - zesedos arrastõesnaszonas Norte e Sul da capital carioca, agorasãoos incêndiosdeau- tomóveisa tiraro sossegoda população. É a nova marca do desafio dos marginaisà auto- ridade, tanto da polícia quan- to do governo do estado. Chamaa atençãoo fatode que, segundo relatos de teste- munhas das ações terroristas, as vítimas não são roubadas, os bandidos seguem seu rumo sem nadalevar, apósatearem fogo aos carros. Ontem, o incidentevoltou a acontecer por duas vezes entre os bairros de Vila Isabel, Ria- chuelo e Méier.O terceiro veí- culo incendiado nesta quar- ta-feira foi no Recreio dos Ban- deirantes, em ação que vitimou também um soldado do Corpo de Bombeiros, morto a tiros. Não importa qual é o objetivo exato dos bandidos incendiá-

Editorial

Ninguém pode atear fogo a um carro e não ser exemplarmente punido por essa barbaridade, no frio rigor da lei. Já foi tema deste editorial a atenção quea Secretariade Segurança Pública deveria ter após a instalação e os resulta- dos positivos das Unidades de Polícia Pacificadora(UPPs) rios. Também não há de mudar a postura da polícia saber se os bandidos sãodo mesmogrupo ou não. Ou ainda se há uma ação orquestrada para prejudicar as seguradoras deautomóveis O que é inaceitável é que a literal pirotecniados forada leinão tenha um combate muito efe- tivo e rápido da polícia carioca. em diversas comunidades. Es- tavanacara queosbandidos não iriam desaparecer da so- ciedade num estalar de dedos. Eles iriam apenas deixar as co- munidadesocupadas pelaPo- lícia Militarpassando aatuar em outras localidades. Mas, se o setor de inteligência docrime nãofossedesenvolvi- do, o problema não teria tomado a proporção que tomou na ci- dade. Ostraficantes desaloja- dos não estão apenas trocando umlugarpelo outro.Asações são esparsas, emvários pontos da cidade, num movimento bem orquestrado paraconfundir a repressãoe mostraràsautori- dades como os grupos crimino- sos são ágeis e escorregadios. E opior de tudoé quea po- pulação já começa a dar sinais de medoe deque voltaa se sentir refémdo crime.É hora de o governo do estado agir com firmeza e muita rapidez.

As ações dos bandidos são esparsas, para mostrar sua agilidade e ousadia às autoridades do estado