Editorial

-->Um novo desafio à inteligência da polícia-->A SEMAN A FOI F AR T A de um as- sustador noticiário policial, que mostr ou a v olta da conhecida ar- r o gância dos bandidos do Rio – seja em arr astões à luz do dia no trânsito das z onas Sul e Norte, ou n um surr eal e liter al f ar oeste em que se tr ansf ormar am algumas com unidades da Zona Oeste. Em ambas as situações sur pr e- endeu a ousadia nas ações de in- terrupção de trânsito , no primei- r o caso , e na tr oca de tir os (como n uma guerr a) entr e ban- dos ri v ais nas ruas de Santa Cruz. Incorr erá em ina- ceitáv el err o a cúpu- la da polícia do es- tado se analisar as ações de maneir a isolada. O que se obser v a é um mo vimento par a o qual alguns especialistas alerta- v a m quando do início da insta- lação das UPPs nas primeir as co- m unidades: o deslocamento dos tr aficantes de um bairr o par a o u- tr o , e a descida de outr os do morr o par a o asf alto . No caso dos arr astões, a sofis - ticação dos líder es da bandidagem é tamanha que eles alugar am as armas aos assaltantes em tr oca de 20% do pr oduto obtido na ação cri - minosa. Ou seja, como sempr e, os “peixes g r andes” não se e xpõem e f atur am, na base da f orça bruta e da coação , em cima da “r aia miúda”. A inteligência da Secr etaria de Segur ança tem diante de si um sério pr oblema a r esolv er . Não há dinheir o nem espaço – nem lógica – par a colocar uma UPP em cada esquina. Mesmo uma por bairr o talv ez seja ine - xequív el. Um caminho é com - plementar à ação das UPPs com a efeti v a entr ada do poder pú - blico nas ár eas ca - r entes, pr o v endo cidadania com mais escolas, sa - neamento , ár eas de laz er , ati vida - des esporti v as – de modo que se inter - r ompa a pr odução futur a de -->av i õ e s -->ou tr aficantes. A questão é o que f az er com aqueles que já estão pr oduzidos – e em plena ati vidade. Ca be à sociedade or ganizada de bater e e xigir soluções. O que não se pode aceitar é a v olta do v elho clima de insegur ança no Rio , da sensação de que v oltamos a fi - car à mer cê dos f or a da lei, agor a não mais nos morr os mas no as - f alto , à noite ou de dia. Esse sentimento não está tão pró - ximo . Mas v ai r einstalar -se de v ez se houv er na cidade outr a semana co - mo a que está aca bando .-->A sofisticação dos bandidos chegou ao ponto de eles alugar em ar mas para as ações