Como fotografei os yanomami: confira crítica de 'Captura de um povo'

O diretor, roteirista, fotógrafo e montador Otávio Cury inicia bem seu documentário que tenta traçar um paralelo sobre a relação entre homens brancos e indígenas nos dias de hoje, sendo a ponte entre eles os profissionais de saúde de ambos os lados que mostram seu trabalho e dão seus depoimentos sobre esse contato, que em alguns casos mostrados duram já uma década.

Quando o filme entra no assunto que o título prenuncia, já estamos na metade da curta duração (70 minutos), mas parece que o filme ganha fôlego. Os índios yanomamis, assim como muitas outras tribos, têm uma relação temerosa com os atos de fotografar e filmar, sempre associando a atividade a valores negativos ancestrais, que incluiriam o roubo de suas essências para a imagem capturada. Tais sequências elevam o filme e o justificam junto com outras sequências, como as que mostram o despreparo dos profissionais em suas funções no âmbito social.

No entanto, o filme escorrega completamente no final, quase se transforma num institucional da Funai, abandona suas qualidades e passa a apresentar momentos inexplicáveis, como a execução do “Hino Nacional” inteiro se sobrepondo a paisagens florestais e tribos em tomadas aéreas. Um pecado quase mortal para um objeto de discussão tão interessante sendo abandonado.

*Membro da Associação de Críticos de Cinema do Rio de Janeiro (ACCRJ)

____________

CAPTURA DE UM POVO: ** (Regular)

Cotações: o Péssimo; * Ruim; ** Regular; *** Bom; **** Muito Bom

____________