Agito nos palcos: temporada teatral ganha fôlego a partir deste fim de semana com muitas estreias

Uma média de 20 novos espetáculos passa a ocupar os palcos da cidade neste fim de semana. Reflexo da Copa do Mundo, que certamente forçou produções a adiar as estreias para não concorrer com a euforia dos jogos. Agora, as peças disputam juntas a preferência do público. Mas há, claro, opções para todos os gostos: comédias, dramas, musicais, monólogos, textos inéditos e remontagens.

Um dos destaques é o musical “Pippin”,  no Teatro Clara Nunes, com a chancela de Charles Möeller & Claudio Botelho. Sucesso estrondoso na estreia de 1972 na Broadway e na única montagem brasileira, dois anos depois, com direção de Flávio Ragel e Marília Pêra e Marco Nanini como protagonistas, o espetáculo vinha sendo planejado desde 2013. “A peça é mais atual do que nunca. No final, fala muito sobre a sociedade de aparências em que vivemos. O que é mais importante: ser feliz de verdade ou viver num universo de aparências? São questionamentos fundamentais em nosso tempo, quando as pessoas parecem viver para postagens em redes sociais e se esquecem de viver as próprias vidas”, diz Möeller. No elenco atual estão, entre muitos outros, Totia Meireles, Nicette Bruno, Jonas Bloch, Adriana Garambone e Felipe de Carolis no papel-título. “O protagonista, Pippin, rejeita todos os clichês do passado. É um personagem absolutamente moderno. Experimenta tudo para ser feliz e duvida de tudo, da política, da guerra e até do sexo e da orgia. Ele espera algo extraordinário em sua vida e se coloca em situações extremas para isso. Por isso que digo que é uma comédia cínica, adulta, perturbadora, onde tudo é mostrado com muito humor e ironia”, comenta o diretor sobre a 43ª peça ao lado de Botelho. 

Para uma temporada de apenas três semanas, “Filho do pai” reúne, pela primeira vez juntos no palco, Antonio Pitanga e Nando Cunha encenando a peça de Maurício Witczak no Sesc Tijuca. Com direção de Clarissa Kahane, a peça, que flerta com a metalinguagem, mostra o encontro entre um pai e seu filho, que está ensaiando “Hamlet”. Parecendo dois estranhos, estabelecem um duelo de palavras, que aos poucos vai desvendando uma tensa relação. “É um presente neste momento em que me preparo para completar 60 anos de carreira e 80 de idade. São dois atores negros num universo shakespeariano onde não estamos discutindo a questão da dívida histórica”, diz Pitanga. 

No Humaitá, comemorando os 20 anos do grupo O Grelo Falante, o trio Carmen Frenzel, Claudia Ventura e Lucília de Assis apresenta a peça “O Grelo em obras” no Espaço Cultural Sérgio Porto. Com direção de Fabiano de Freitas, a montagem aborda a trajetória do grupo e faz uma autocrítica ao conteúdo produzido por elas ao longo desse tempo. Com muito bom humor, a música e os relatos pessoais são o fio condutor do espetáculo.

“Pupik - Fuga em 2”, que estreia hoje na Caixa Cultural, no Centro, é encenada por uma atriz inglesa e outra israelense e aborda a questão dos refugiados. Naomi Silman e Yael Karavan, que assinam a concepção e roteiro, mostram suas próprias experiências de morar em países diferentes desde pequenas. “No momento em que decidimos fazer o trabalho, contou muito o que vem acontecendo no mundo todo, com a xenofobia, o ultranacionalismo de certos países, questões que apontam para a separação entre os seres humanos. A peça busca propor uma reflexão sobre a necessidade de conexão e não de fraturar territórios e segmentar as pessoas”, explica Naomi.   

“Em uma manhã de sol”, com direção de Eduardo Vaccari, estreia hoje no Teatro II do Sesc Tijuca. O monólogo nasceu de crônicas escritas pela atriz Flávia Lopes durante o tempo em que frequentou o Hospital Universitário Pedro Ernesto acompanhando a doença do marido. A experiência pessoal ganhou outros depoimentos de mulheres e acabou se tornando um retrato da decadência da saúde pública no nível social. 

Outro monólogo que também estreia hoje é “Pança”, está no Teatro Glauce Rocha. A tragicomédia de Leo Lama, com atuação de Beto Magnani, se inspira na ligação entre Dom Quixote de La Mancha e seu escudeiro Sancho Pança. No texto, Pança explica para os aspirantes ao poder quais são as regras do jogo. Enquanto mói grandes pedaços de carne, esmiúça, com humor e requintes de crueldade, o funcionamento da economia mundial e a instabilidade das relações humanas em sua forma mais bruta.

Na Sala Baden Powell, o Grupo Teatro Empório apresenta seu novo trabalho, “Cidade/Abismo”, com dramaturgia e direção de Leandro Bacellar. No elenco estão, entre outros, Carolina Lavigne, Nívia Terra, Marcela Bull e Stace Mayka. A história trata de um assunto delicado e ainda evitado pela sociedade: o suicídio. A partir da metáfora dos abismos, o recorte da encenação volta seu olhar para as quedas de pontes que, por sua vez, também falam das variadas quedas e as muitas mortes que se pode experimentar em vida.

Outros temas pesados ocupam os palcos da Cia. de Teatro Contemporâneo e da Casa Rio, ambas em Botafogo. Em “Polacas, as prostitutas judias”, o texto de Dinho Valladares faz um paralelo com o famoso texto de Becket, “Esperando Godot”. Na peça, cinco prostitutas que vivem uma realidade de miséria e exploração esperam clientes e conversam sobre suas vidas e como chegaram ali. Já em “Inimigo oculto”, com direção de Rodrigo França e Andrea Bordadagua, o público é conduzido entre cômodos e assiste cenas que dispensam narração, pois todas são contadas através dos silêncios, diálogos e ações relacionadas às violências de todos os dias: machismo, sexismo e racismo.

Confira as outras estreias na programação abaixo.

Amor Barato - O Romeu e Julieta dos esgotos - Teatro de Arena/Sesc Copacabana  (R. Domingos Ferreira, 160. Tel.: 2547-0156). Sex. e sáb., às 20h30. Dom., às 19h. Classificação: 16 anos. R$ 30. Até 26/8.

Aquela do defunto - Teatro Municipal Serrador (R. Senador Dantas, 3, Centro; Tel.: 2220-5033). Qui. a sáb., às 19h30. Classificação: 10 anos. R$ 40. Até 25/8.

Brimas - Teatro da UFF (R. Miguel de Frias, 9 - Icaraí - Niterói; Tel.: 3674-7511). Sex. a dom., às 20h. R$ 50. Até 12/8.

Cidade/abismo - Sala Baden Powell (Av. N. S. Copacabana, 360 - Copacabana; Tel.: 2547-9147). Qui. e sex., às 20h. Classificação: 14 anos.

Em uma manhã de sol - Sesc Tijuca/Teatro II (R. Barão de Mesquita, 539 - Tijuca; Tel.: 3238-2139). Sex. a dom., às 19h. R$ 30. Até 19/8.

Filho do pai - Sesc Tijuca/Teatro I (R. Barão de Mesquita, 539 - Tijuca; Tel.: 3238-2139). Sex. a dom., às 20h. Classificação: 14 anos. R$ 30. Até 19/8.

O Grelo em obras - Espaço Cultural  Sérgio Porto (R. Humaitá, 163 - Tel.: 2535-3846). Sáb. e dom., às 20h30. Classificação: 14 anos. R$ 40. Até 19/8.

Impromédia - Teatro Miguel Fallabela/Norte Shopping (Av. Dom Hélder Camara 5332 - Cachambi - Tel.: 2597-4452).  Dom., às 21h59. Classificação: 12 anos. R$ 60. Até 26/8.

Inimigo oculto - Casa Rio (R. São João Batista, 105 - Botafogo; Tel.: 2148-6999). Sáb., às 20h. Dom., às 19h. Classificação: 16 anos. R$ 40. Até 26/8.

Mentira tem perna curta - Teatro Miguel Fallabela/Norte Shopping (Av. Dom Hélder Camara 5332 - Cachambi - Tel.: 2597-4452). Sex. e sáb., às 23h. Classificação: 12 anos. R$ 60. Até 25/8.

A palavra progresso na boca da minha mãe soava terrivelmente falsa - Teatro Ziembinski (R. Heitor Beltrão, s/n - Tijuca; Tel.: 3234-2003). Qui. a sáb., às 20h. Dom., às 19h. Classificação: 18 anos. R$ 30. Até 12/8.

Pança - Teatro Glauce Rocha (Av. Rio Branco, 179 - Centro; Tel.: 2220-0259). Qua. a dom., 19h. Classificação: 14 anos. R$30. Até 2/9.

Para não morrer - Teatro Poeirinha (Rua São João Batista, 104, Botafogo; Tel.: 2537-8053). Qui. a sáb., às 21h. Dom., às 19h. Classificação: 14 anos. R$ 40 (qui) e R$ 60. Até 26/8.

Pippin -Teatro Clara Nunes (R. Marquês de São Vicente, 52 - Gávea; Tel.: 2274-9696). Qui., às 17h. Sex. e sáb., às 21h. Dom., às 19h30. Classificação: 12 anos. Até 21/10. R$ 50 a R$ 120. 

Polacas, as prostitutas judias - Cia. de Teatro Contemporâneo (Rua Conde de Irajá, 253 - Botafogo; Tel.: 2537-5204). Sáb., às 20h. Dom., às 19h. Classificação: 16 anos. R$ 50. Até 30/9.

Pupik - Fuga em 2 - Caixa Cultural (Av. Almirante Barroso, 25 - Centro; Tel.: 3980-3815). Qui. a dom., às 19h. R$ 20. Até 12/8.

A serpente - Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil (R. Primeiro de Março, 66 - Centro - Tel.: 3808-2020). Qui. a seg., às 19h. Classificação: 16 anos. R$ 30. Até 3/9.