Con?ra os destaques da Flip

Do Beckett africano a Geovani Martins e Zeca Baleiro, o JORNAL DO BRASIL selecionou os destaques da Festa Literária Internacional de Paraty, de hoje a domingo:

HOJE 

15h30 | Mesa 9 | Memórias de porco-espinho 

Comparado a Beckett, o premiado autor franco-congolês Alain Mabanckou une o absurdo, o riso, culturas africanas, escrita criativa e crítica da razão negra. Tem três livros  no Brasil: “Memórias de um porco-espinho”, que recorre a mitos da cultura africana para parodiar a lenda de que todo ser humano tem um “duplo animal”; “Irmã-estrela” (Ftd), obra infantil sobre um garoto de vida difícil; e “Copo quebrado” (Malê), sobre um bar e seus frequentadores. 

17h30 | Mesa 10 | Interdito 

A mesa começa com a performance “Do desejo”, do escritor e artista visual paulista Ricardo Domeneck, baseada em tema de Hilda Hilst. Em seguida, o americano de origem egípcia André Aciman e a franco-marroquina Leila Slimani falam sobre escrever e a escolha de temas tabu ou proibidos, como o homoerotismo, a sexualidade feminina e a religião.

SÁBADO, 28 DE JULHO 

10h  |  Mesa 12  |  Som e fúria 

Jocy de Oliveira, uma das pioneiras da música de vanguarda no país, hoje dedicada à ópera multimídia, e Vasco Pimentel, conhecido designer de som, falam sobre a escuta e a criação de universos sonoros. 

12h | Mesa 13 | O poder na alcova

Simon Sebag Montefiore , historiador britânico best-seller que publicou biografias de Stálin, dos Romanov e de Catarina, a Grande, conta, nessa conversa com Guilherme Freitas e Bruno Gomide, como faz para retratar figuras centrais da política, em seus pormenores mais íntimos. 

15h30 | Mesa 14 | Obscena, de tão lúcida

Isabela Figueiredo, romancista portuguesa nascida em Moçambique que tratou de temas como o racismo e a gordofobia, se encontra com Juliano Garcia Pessanha,  psicanalista que acredita na escrita como meio de transformação de si, para falar sobre hibridismo literário, autoficção, diários, as memórias do corpo e o desnudamento. 

17h30 | Mesa 15 | Atravessar o Sol

Depois de uma performance, mesa com o premiado vencedor do Pulitzer Colson Whitehead, que escreveu um romance histórico sobre escravizados que construíram o caminho para a liberdade, e Geovani Martins, sensação literária oriunda da favela do Vidigal, que inventa com liberdade um jeito de narrar e usar as palavras. 

20h | Mesa 16 | No pomar do incomum

Liudmila Petruchevskáia, um dos grandes nomes da literatura russa moderna, comparada a Gogol e Poe pelos contos de horror e fantasia que não dispensam o teor político, relembra a trajetória proibida por décadas, hoje aclamada de Moscou a Nova York.

DOMINGO, 29 DE JULHO: 

12h00 | mesa 18 | O escritor e seus múltiplos 

Na sessão de encerramento, Iara Jamra, Eder Chiodetto e Zeca Baleiro, respectivamente, uma atriz, um fotógrafo e um compositor que fizeram obras baseadas em Hilda Hilst.