Flip: Fernanda emociona Paraty

Atriz abriu a 16ª edição da festa literária e foi aplaudida de pé pelo público

“Maravilhosa Hilda Hilst, inesgotável Hilda Hilst, amada Hilda Hilst!”, exultou Fernanda Montenegro, ao ler um apanhado de textos da autora homenageada este ano pela Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), para o público que prestigiou a abertura ontem à noite. A atriz comoveu a numerosa plateia, de amantes do livro do país e do exterior, reunida na principal área  montada para o evento, na Praça da Matriz.

Dentre as obras escolhidas, estava a crônica “Esquadrão Geriátrico de Extermínio”, de 1993, um dos textos mais políticos da autora, em que descreve um  coletivo de velhinhas que misturasse às massas para assassinar políticos. “Ninguém nos notaria, como ninguém nunca nota a velhice”, diz o texto. Em outro momento, Montenegro resumiu um desejo de Hist: “Leiam-me e não me deixem morrer”, citou. 

A ideia de homenagear Hilda Hilst (1930-2003) se concretizou quando a organização da festa chamou Josélia Aguiar para fazer novamente a curadoria. A jornalista falou que gostaria de homenagear nesta edição uma escritora. Desde o início da Flip, apenas duas autoras haviam ocupado tal oposto, Clarice Lispector (2005) e Ana Cristina Cesar (2016). Entre três nomes sugeridos, o de Hilda Hilst - paulista de Jaú, que passou parte de sua vida  em Campinas, na fazenda Casa do Sol, construída em 1966 e onde morou até a morte, soou mais forte.  

A autora que escreveu poesia, prosa e crônica,  recebeu uma vasta e de cuidada programação por parte da organização da Flip (que se estende até domingo, dia 29), tendo além das atividades literárias, uma série de debates e a exibição do filme “Hilda Hilst pede contato”, de Gabriela Greeb hoje.

Publicada exclusivamente pela Globo de 2001 até o ano passado, Hilda ressurge nas livrarias por diversas editoras. Em 2017, a Companhia das Letras reuniu seus livros de poemas na caixa “Da poesia” e fez o mesmo agora com a obra ficcional que deixou. “Da prosa!” chegou às estantes das livrarias em dois volumes, trazendo  11 títulos, entre os quais “Fluxo-Floema” e “O Caderno Rosa de Lori Lamby”. A editora lançou ainda uma seleção de 50 poemas e, mais recentemente, “De amor tenho vivido”. 

Por sua vez, a Nova Fronteira incluiu Hilda Hilst na coleção “Clássicos de Ouro”, com textos inéditos inclusive, na obra “132 crônicas: Cascos & Carícias e outros escritos”. Sua obra teatral foi programado para chegar às mãos dos leitores em edições de bolso pela L&PM. O primeiro volume reúne “As aves da noite” e “Os visitantes”.

As cartas que trocou com Mora Fuentes serão publicadas pela e-galáxia. Os e-books de  “Cartas aos Pósteros: Correspondência de Hilda Hilst e Mora Fuentes” estão ao alcance do público na Casa Hilda Hilst, em Paraty.

Confira toda a programação da 16ª Flip através do site https://flip.org.br/edicoes/flip-2018/programa