Exposição fotográfica é atração no Rio

A partir deste sábado (30), os cariocas passam a ter mais uma opção  para atividades culturais. 

Isso porquê, o Ateliê da Imagem torna-se um lugar de uma performance de arte impressa que, com a participação ativa do público, que responder visualmente a diversas essas questões criando uma publicação fotográfica coletiva. 

 O público que comparecer ao espaço ao longo do dia vai experimentar uma imersão na prática editorial, podendo participar de todas as etapas de criação de uma publicação fotográfica, desde a seleção de imagens até a impressão do resultado final.

 Cada participante será convidado a investigar sua própria biblioteca e trazer 2 a 3 livros em torno do tema: "o erro, a rua". A performance baseia-se na apropriação e recombinação de imagens desses livros, buscando aproximações e contrastes, tecendo relações entre o pensamento e as estéticas dos próprios livros e entre os afetos de todos nós, seus leitores, então convertidos em autores.

Ao final da ação o(s) livro(s) criados, bem como lâminas não utilizadas e a documentação da performance serão instalados a partir da próxima quinta-feira (5), a exposição O erro, a rua na Galeria do Ateliê da Imagem, que ficará aberta ao público até o dia 18 de agosto.

 Público Alvo

 Pessoas interessadas em publicações e processos criativos; em ações que refletem sobre a relação entre imagem, história e memória; em design, arte e fotografia contemporâneos.

Qual a relação entre "erro" e "rua"?  O que significa "errar" em um presente que carece de projetos de futuro compartilhados? Como o cálculo político, os acidentes de percurso e as obras do acaso determinam a formação e transformação dos espaços públicos? Que cidade queremos?  

 

 Artistas

 Walter Costa (Itália) é editor independente e fotógrafo com base em São Paulo. Trabalha com autores brasileiros e internacionais no desenvolvimento de seus projetos de fotolivro. Pesquisador e professor na área da edição e do visual storytelling, estuda os hibridismos narrativos entre fotografia e outras linguagens. A partir desta pesquisa criou o projeto The Rising Card, um baralho de cartas com dicas e exercícios para ajudar autores e editores editar seus projetos. É fundador do grupo de discussão sobre fotolivros TRAMA, que desde 2014 organiza eventos e workshops pelo continente. É coordenador do grupo de estudos LOMBADA-Laboratório de Fotolivros em São Paulo. Dá cursos e conferências em diferentes instituições e eventos na América Latina e na Europa, participando também como jurado em vários prêmios de fotolivros.

Rony Maltz é professor e artista visual, Mestre em Fotografia pelo ICP-Bard College (NY) e graduado em Comunicação Social pela UFRJ. Em 2017, seu livro Riocities foi selecionado no Fotobookfestival Kassel Dummy Awards, na Alemanha, e no 10x10 AWAKE, dos EUA, e exibido em festivais em Istanbul, Moscou, Roma, Madrid, Dublin e Nova York, entre outros. Sua instalação fotográfica Procissão integrou o projeto QUE LEGADO, indicado ao Prêmio Shell de Teatro na categoria inovação. Criou o projeto multimídia Borges: Obras Completase a vídeo-instalação Readers/Reading. Seu trabalho foi exibido no DUMBO Arts Festival, International Center of Photography e MoMA P.S.1, em Nova York; e no Centro Cultural Sérgio Porto, Centro Cultural dos Correios e Centro Cultural Justiça Federal, no Rio de Janeiro. Produtor da Feira URCA de Fotolivros e curador da exposição Livros Possíveis, no Ateliê da Imagem (RJ). Fundou a {Lp} press, selo especializado na produção de livros de fotografia em edições limitadas.