Corpo da atriz Tônia Carrero será cremado nesta segunda-feira

O corpo da atriz Tônia Carrero foi velado desde as 14h deste domingo (4) no saguão principal do Teatro Municipal, no Centro do Rio, onde chegou por volta das 13h20. De acordo com parentes da atriz, o velório se estenderia até as 22h. Nesta segunda-feira (5), é trasladado e cremado no Cemitério do Caju, na Zona Norte, quando chegam ao Brasil parentes que estavam no exterior. A cerimônia é restrita à família e amigos próximos.

A atriz, de 95 anos, morreu no final da noite de sábado (3) na clínica São Vicente, na Gávea, na Zona Sul do Rio. Ela havia sido internada para uma cirurgia simples, para tratamento de uma úlcera, mas Tônia sofreu uma parada cardíaca e acabou não resistindo.

Artistas usaram as redes sociais para homenagear a atriz. O neto dela, o ator Miguel Thiré, publicou uma foto de Tônia, com a mensagem "obrigado minha avó, você foi uma mulher sensacional", no seu perfil no Instagram. Já a atriz Rosa Maria Murtinho publicou uma foto dela com Tônia, ainda jovens, com o texto: "Amiga querida, minha Tônia, a lembrança de seu sorriso e carisma estará sempre presente. Agora iluminando o paraíso, lhe amo", disse.

A atriz e cantora Zezé Motta disse que "o mundo perde", sem Tônia. "Descanse em paz minha amada amiga. Luz, e muita gratidão por sua existência. Estrela, diva, e esplêndida", afirmou, em seu perfil no Instagram. 

A atriz Maitê Proença publicou uma foto sua dizendo que "a prece de hoje era para a atriz que hoje se junta aos deuses". Leandra Leal disse que Tônia foi uma das mulheres mais "incrivelands " que já passaram pelas telas e palcos do Brasil. "Seu brilho está eternizado em cada personagem, cada emoção, cada vez que você mostrou a força de ser mulher."

O ator Kadu Moliterno publicou uma foto sua contracenando com a atriz, com a mensagem que o Brasil "perde uma grande estrela". "Tive a honra e o privilégio de trabalhar em "Água viva" de Gilberto Braga", disse.

Desde o início da carreira, Tônia manteve trabalho no cinema, teatro e televisão. Musa de Ipanema dos anos 1940, Tônia Carrero tornou-se uma atriz de prestigio, e protagonizou muitos espetáculos no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC). Mais tarde, teve sua própria companhia, a Companhia Tônia-Celi-Autran (CTCA) e conquistou espaço como grande intérprete.

Formada em educação física, ela teve sua iniciação teatral num rápido curso com Jean Louis Barrault, em Paris. Depois de fazer pontas em alguns filmes, teve sua estreia profissional no palco do Teatro Copacabana, no Rio de Janeiro, em 1949, na companhia de Fernando de Barros, fazendo Um Deus Dormiu Lá em Casa, de Guilherme Figueiredo, ao lado de Paulo Autran e sob a direção de Silveira Sampaio. Na ocasião, ganhou o prêmio de atriz revelação pela Associação de Críticos Cariocas.

Sua interpretação surpreendeu público e crítica em Quartett, de Heiner Müller, dirigida por Gerald Thomas, que ela conheceu na Off-off Brodway, em Nova York, e trouxe para o Rio de Janeiro, recebendo o Molière de melhor atriz. Em 1989, sob a direção de Marcio Aurelio, comemorou 40 anos de carreira encenando um solo, vivendo Zelda Fitzgerald em Esta Valsa é Minha, de William Luce.

Tônia é a matriarca de uma família que tem quatro gerações de artistas. Além do único filho, o ator Cécil Thiré, netos e bisnetos também seguiram a carreira.

Com Estadão Conteúdo

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais