Renaissance apresenta 'Songs For All Our Times' ao público carioca

Grupo pioneiro do rock progressivo britânico tocará os clássicos mais reverenciados pelos fãs

Com quase 50 anos de estrada, o grupo que foi pioneiro do rock progressivo britânico está no Brasil e chega ao Rio de Janeiro (Vivo Rio) nesta sexta-feira, 26 de maio.

Liderados pela incrível voz de cinco oitavas de Annie Haslam, a Renaissance mostrará a turnê 'Songs For All Times' que reúne os clássicos mais reverenciados da banda, como Song For All Seasons, Northern Lights, Sounds of the Sea, além do aclamado álbum Symphony of Light, lançado em 2014.

O grupo subirá ao palco com a sua formação atual que, além de Annie nos vocais, tem Rave Tesar (teclados), Tom Brislin (teclados e voz), Mark Lambert (guitarra e vocais), Frank Pagano (bateria, percussão e vocais) e Leo Traversa (baixo e vocais). Os ingressos já estão à venda. Confira o serviço completo abaixo.

Com sua mistura única de rock progressivo com influências clássicas e sinfônicas, a Renaissance surgiu em 1969, quando o seminal grupo de rock Yardbirds se separou e seus membros fundadores Keith Relf e Jim McCarty começaram a organizar um novo grupo, voltado a fusão do rock, folk e formas clássicas.

O quinteto – Relf (guitarra e vocal), McCarty (bateria), Louis Cennamo (baixo), John Hawken (piano) e Jane (irmã de Relf nos vocais) – se manteve até 1971, quando a vocalista Annie Haslam, o guitarrista e compositor Michael Dunford, John Tout, Neil Korner, Terry Crowe e Terry Slade entraram no grupo, uma mudança completa da primeira formação. Dois anos depois, novas alterações e tours extensas e muito bem sucedidas pelo Reino Unido, Alemanha, Italia, Suiça, Holanda, França, Bélgica, Portugal e Israel. As influentes rádios FM dos Estados Unidos se encantaram com o som único do grupo e os apresentaram a América.

O grupo gravou 15 álbuns, atuou nos principais teatros e palcos do mundo, incluindo Carnegie Hall, com a New York Philarmonic Orchestra, e Royal Albert Hall, com a Royal Philarmonic Orchestra e o Royal Chorale Society. Desde sua fundação, o manteve constantes turnês pelos mais diferentes países, sempre com grande sucesso e com uma legião de fãs que os segue fielmente.

Somente nos anos 2000, o grupo se dissolveu por um tempo, voltando no final desta década. Em 2009, Haslam e Dunford reuniram-se para um concerto especial no 40º aniversário da banda, quando se reconectaram com seus antigos fãs e adquiram uma legião de novos apreciadores.

O grupo passou por dois momentos muito difíceis em sua carreira, em 2012, quando Annie Haslam teve um colapso numa vértebra, que levou ao cancelamento de vários shows. Quando Annie estava recuperada, Michael Dunford sofreu uma hemorragia cerebral em novembro do mesmo ano. Michael nunca recuperou a consciência e faleceu pouco tempo depois. Mesmo devastada com a morte do parceiro musical, Annie decidiu seguir com o legado do Renaissance, como um tributo a vida e ao trabalho de Michael.

Com 30 discos oficiais lançados, alguns inscritos entre os melhores da história do rock, como Prologue (1972), Ashes are burning (1973), Turn of the cards (1974), Scheherazade and other stories (1975), Azure d’Or (1979) e Mother Russia (2004), várias e diferentes formações com o passar dos anos e várias investidas de seus integrantes em suas carreiras solo, a incrível voz de cinco oitavas de Annie Haslam e as brilhantes canções escritas por Michael Dunford, o Renaissance tem se mantido como um dos mais importantes e influentes grupos da história do rock.

A vinda do Renaissance é parte do Top Cat Concert Series, um projeto que trará ao Brasil shows e eventos internacionais com música de qualidade, dando ênfase ao jazz, blues e rock de todo mundo, procurando agregar o publico em todas as suas apresentações.