Documentário sobre Cacá Diegues tem exibição especial em Botafogo, no Rio

Nesta sexta-feira (26), às 19h30, haverá sessão gratuita do recém-lançado documentário Carlos Diegues – Vida de cinema, de Geraldo Sarno, no Estação Net Rio, em Botafogo, no Rio. O documentário se constrói a partir de um diálogo entre José Carlos Avellar e Carlos Diegues. A sessão conta com a presença de Cacá Diegues e do Curador da Cinemateca do MAM, Ricardo Cota, para um bate-papo com o público. No longa, Cacá fala sobre o seu processo criativo, sua visão sobre o cinema e comenta trechos de seus principais filmes durante 52 minutos. O documentário faz parte da segunda série do projeto A Linguagem do Cinema, idealizado e dirigido pelo cineasta Geraldo Sarno, lançado neste mês pela Cinemateca do MAM, com apoio da curadoria e do conservador-chefe Hernani Heffner.

A nova série é uma coletânea de dez títulos sobre grandes diretores em que cada um investiga o processo criativo e técnico de um realizador durante 52 minutos. São eles Lúcia Murat, Cacá Diegues, Rosemberg Cariry, Edgard Navarro, Eryk Rocha, Ricardo Miranda, Walter Goulart, Cao Guimarães, Eduardo Nunes e Luiz Carlos Barreto.

Lançado originalmente no final dos anos 90, A Linguagem do Cinema série I – foi realizada em regime de co-produção com a Rio Filme, entre 1997 e 2001, veiculada pelo IRDEB e Canal Brasil e difundida em homevideo pelo CTAV. Era uma coletânea dedicada à apresentação e compreensão do modo de ser e estética do filme brasileiro. Composta por 10 títulos, apresentava a arte cinematográfica de 12 cineastas, entre os quais Júlio BressaneWalter SallesDaniella Thomas e Ruy Guerra

Os programas são montados em formato de entrevista e o depoimento de cada artista é complementado com materiais de arquivo como trechos de seus filmes, publicações, escritos e fotografias. A ideia é mostrar um auto-retrato em que o próprio entrevistado tenha colaborado com a concepção do seu episódio, refletindo sobre o processo criativo pessoal e do cinema.

O projeto de Sarno documenta o pensamento dos cineastas brasileiros e contribui para a formação de um público interessado em aprender sobre a linguagem cinematográfica brasileira e sua diversidade de temas, estilos, técnicas e propostas. As séries, segundo o diretor, são voltadas tanto para o público em geral quanto para o público profissional, estudantes e professores universitários, sobretudo para os artistas com ambição criativa.

"Carlos Diegues – Vida de cinema"

Cacá Diegues: considerado um dos fundadores do Cinema Novo, ele já publicou sua auto-biografia e lança, provavelmente este ano, o longa de ficção O Grande Circo Místico,  baseado no poema de 47 versos contido no livro A Túnica Inconsútil (1938), de Jorge de Lima. A maioria dos filmes de Diegues foi selecionada por grandes festivais internacionais, como Cannes, VenezaBerlimNova York e Toronto, e exibida comercialmente na Europa, Estados Unidos e América Latina. Seus longas já arremataram diversos prêmios nacionais e internacionais, e em 1981, ele integrou o júri no Festival de Cannes. Um dos destaques da sua obra é a abordagem da questão negra, o que aparece em longas como Ganga Zumba (1964) , Quilombo (1984) e Orfeu (1999). O cineasta também se preocupa com as transformações da sociedade brasileira, que ele investiga em filmes como Os Herdeiros (1970), Bye Bye Brasil (1979) e no novo longa O Grande Circo Místico.