Baile do Banga: ensaio pré-carnavalesco vai sacudir o Vivo Rio em 27 de janeiro

Baile do Banga - ensaio pré-carnavalesco que faz o aquecimento para desfile de Carnaval - será na sexta-feira, dia 27 de janeiro, a partir das 22h, no Vivo Rio, pertinho do Aterro do Flamengo onde a mesma rapaziada toca no domingo de Carnaval. O guitarrista Davi Moraes e o poeta Chacal são os convidados especiais da noite. Ingressos a R$ 60. 

Tudo começou com um evento idealizado por Chacal no Planetário da Gávea, em 1998. “Chacal é o grande fundador conceitual do Bangalafumenga. Ele descobriu esse nome num livro sobre o Rio antigo e ficou encantado pela sonoridade e pelo significado. As casas de bangalafumenga ficavam nos arredores da Praça Mauá e eram onde aqueles escravos recém libertos se reuniam para o batuque”, rebobina o guitarrista e baixista Thiago Di Sabatto, braço direito de Rodrigo Maranhão na direção musical do bloco. 

O sucesso dessas casas foi tamanho que passaram a atrair o pessoal da classe média. Décadas mais tarde, o mesmo ocorreria com o samba nascido na favela que interessou a turma zona sul da bossa nova. E, assim como o batuque e o samba, o Bangalafumenga vem conquistando verdadeiras multidões com a pitada poética que salpica em suas apresentações. Em vez dos sucessos da moda ou de repertir a mesma música por todo o desfile, como fazem alguns de seus pares, eles sempre buscam músicas com letras que ofereçam algo a mais para o público. 

Há novidades no repertório de 2017, como as clássicas “Reconvexo” e “Gatas extraordinárias”, de Caetano Veloso, “Cidadão do mundo” (Chico Science) e os axés “Nobre vagabundo” (Márcio Mello) e “O mais belo dos belos” (Guiguia, Adailton Poesia e Valter Farias), que ganharam o mundo na voz de Daniela Mercury. O Banga promote repetir o medley baiano que levantou a galera no ano passado, com “Beija-flor” (Xexéu e Zé Raimundo), do repertório da Timbalada, e “Nossa gente (Avisa lá que eu vou)”, do Roque Carvalho, conhecida na interpretação do Olodum. 

O público que estiver no Vivo Rio vai vibrar com o som produzido por cerca de 100 batuqueiros, que estarão divididos em oito espécies de instrumentos: Caixas, repiques, tamborins, agogôs, chocalhos um naipe de surdos, de primeira, segunda e terceira. Além disso, haverá os instrumentos melódicos (guitarra, cavaquinho e os metais - saxofone, trompete e trombone) e os vocais, a cargo de Rodrigo Maranhão e Hamilton Fofão. Sem falar nos convidados especiais Davi Moraes e Chacal e no batismo de uma turma de alunos das oficinas de percussão do Banga. 

Essas oficinas que os integrantes realizam desde 2004 desempenham um papel essencial. “É através das oficinas que renovamos e testamos as músicas que entram nos roteiros dos nossos desfiles e shows. Os próprios alunos trazem sugestões. O Banga é um organismo vivo. Nós cuidamos para que o bloco mantenha a sua identidade”, comenta o cantor e compositor Rodrigo Maranhão, guardião dessa história que vem sendo escrita há quase 20 anos. “Cada vez mais, a gente apenas deixa fluir. As músicas e as pessoas que têm que chegar, chegam”, diz Maranhão. 

Baile do Banga, serviço

QUANDO: Dia 27 de janeiro, sexta-feira, às 22h

ONDE: Vivo Rio - Av. Infante Dom Henrique, 85 - Aterro do Flamengo

QUANTO: Pista a R$ 60, com meia entrada para estudantes e maiores de 65 anos

E MAIS: Participação especial de Davi Moraes e Chacal