Rodrigo de Oliveira retorna ao Brasil para lançar seu mais novo projeto

Nascido em Salvador, Bahia, o cantor construiu sua trajetória entre o Brasil e a França

Depois de participar de vários festivais internacionais, como, Samba-Festival Cobourg, na Alemanha; Samba Fest, na Suíça; Lavagem de Madeleine, na França, e Pop in Djerba, na Tunísia, o cantor e compositor Rodrigo de Oliveira se prepara para estrear turnê pelo Brasil: primeiro em Caraguatatuba, São Paulo, na próxima quinta-feira (29), e depois, em Porto Seguro, Bahia, na terça-feira (3).

Com influências musicais dos mais variados estilos – de Gilberto Gil à James Brown, passando por Michael Jackson e Magic System – este último é autor de ‘Samba África’ um dos maiores hits do ritmo Zumba –  Rodrigo já se apresentou em países, como França, Alemanha, Israel, Suíça, Marrocos e Portugal.

Assim como a própria cultura brasileira, a marca musical do cantor reflete uma combinação de ritmos africanos, samba e pop, que deram origem à uma nova tendência musical: o Samba-Decalé, conceito livremente inspirado pelo Coupé-Decalé, criado em Paris por DJs da Costa do Marfim e do Congo, lugares em que Rodrigo teve a oportunidade de tocar e perceber a proximidade entre a musicalidade africana, europeia e brasileira. Essa expressão musical aparece em seu novo disco, que traz canções como ‘Babá Samba Decalé’, ‘Água e Sal’ e ‘Sonhado o Meu Sonho’, combinando ritmos tribais com melodias modernas.

A arte está no sangue. O ritmo e o gingado vêm da mistura equilibrada entre os movimentos da dança e os dribles da bola. Rodrigo é a própria imagem e representação do Brasil e suas raízes culturais: filho de jogador de futebol e de uma exímia bailarina, o cantor, de 39 anos, trilhou um caminho que não poderia deixar de ser marcado por experiências artísticas das mais variadas. Entre os palcos e os campos de futebol, Rodrigo desenvolveu habilidades que ofereceram a base necessária para que se tornasse um artista completo, dedicado e conectado às suas raízes. 

Nascido em Salvador, Bahia, o cantor construiu sua trajetória entre o Brasil e a França, país que se tornou a sua segunda casa desde 1992, quando se mudou pela primeira vez para Paris e investiu na dança, integrando o grupo Rio Samba Show, criado pela mãe. Mas o amor pelo futebol o levou de volta ao Brasil, em 1994, quando decidiu retornar e se profissionalizar como jogador. O sonho durou pouco e uma contusão grave tirou Rodrigo de vez dos gramados. 

Entre idas e vindas, Rodrigo foi descobrindo sua verdadeira vocação: a música. O jovem artista passou a se dedicar ao estudo da percussão e mergulhou de cabeça na carreira musical. Do instrumento para a voz foi um pulo. Em pouco tempo ele passou de percursionista a cantor da banda e a paixão pela performance musical tomou conta de sua vida. 

De volta à Paris em 2002, o cantor, já com uma base sólida como compositor e intérprete, o artista já se apresentou em mais de 10 países, como França, Alemanha, Israel, Suíça, Marrocos e Portugal.