'Macbeth', de Roman Polanski, terá sessão gratuita no dia 29 no Rio 

SBPRJ apresenta o filme e promove debate nos 400 anos da morte de Shakespeare

A versão do cineasta Roman Polanski para a tragédia Macbeth, de William Shakespeare, será apresentada dia 29, às 19h, com entrada franca, na Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ).

A programação faz parte do ciclo Psicanálise & Cinema no ano em que são lembrados os 400 anos de morte do dramaturgo inglês. Após a exibição do filme, haverá uma apresentação sobre o autor e debate conduzidos pelo psicanalista e crítico de cinema Luiz Fernando Gallego.

Entre as cinco obras literárias mais citadas por Sigmund Freud, em suas obras completas, segundo a Standard Edition, estão duas peças de Shakespeare, 'Hamlet' e 'Macbeth'. "É enorme o número de vezes que Freud o cita. E no cinema também não é muito diferente. Foram realizados, até este mês, nada menos do que 1.168 filmes baseados em peças de Shakespeare, o que lhe dá primazia no ‘Guinness Book of World Records’ como autor do qual o cinema mais se utilizou", observa Gallego.

De forma resumida, 'Macbeth' conta a história de um lorde escocês que assassina o rei e ascende ao trono. A mulher dele, Lady Macbeth, começa a ter alucinações como resultado do seu complexo de culpa, e o filho do rei morto trama para desmascarar o assassino.

A escolha do filme de Polanski (The Tragedy of Macbeth, no original), realizado em 1971, deve-se, segundo Gallego ao fato de ser uma das mais fiéis transposições para a tela do texto shakespeariano, sendo que a ênfase dos comentários que ele fará será na peça.  "Compartilharei algumas leituras da obra feitas por importantes pensadores que se debruçaram sobre a peça e seus personagens centrais, como fez Freud", adianta. 

Gallego vai comentar o texto de Freud 'Os arruinados pelo êxito', que aborda o casal Macbeth, e oferecer um apanhado do que escreveram sobre a obra outros pensadores, como o psicanalista Daniel Sibony no livro 'Na Companhia de Shakespeare';  o grande estudioso de Shakespeare, Harold Bloom; e os psicanalistas brasileiros Clara Helena e Eustáquio Portella, que escreveram um livro sobre Freud e Shakespeare. Vai utilizar também anotações de estudos com a crítica teatral e escritora Barbara Heliodora.

Bloom, por exemplo, aborda o texto do bardo sob três ângulos. Para ele, 'Macbeth' é a tragédia da imaginação, do tempo e do sangue. “O elemento que domina essa peça, mais que em qualquer outra de Shakespeare, é o tempo – o tempo voraz, a morte encarnada, sendo seu cenário uma espécie de deserto cosmológico, uma Criação que implica a perda da Graça”, escreveu Bloom sobre o segundo ângulo de abordagem. Para Gallego, o filme de Roman Polanski transmite bem estes três aspectos.

Serviço: 'Macbeth'

Data: 29 de julho, sexta-feira, às 19h

Local: SBPRJ - rua David Campista, 80, no Humaitá

Entrada franca

Informações e reservas: 2537-1333  e  2537-1115 – [email protected] 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais