Apresentadora paga 1 milhão para se livrar de marido agressor

A denúncia de violência doméstica feita pela atriz e modelo Luiza Brunet jogou luz sobre as famosas que, muitas vezes, sofrem caladas com companheiros agressivos por temer a superexposição da intimidade, a humilhação pública e o julgamento machista de quem se acha no direito de transformar a vítima em vilã.

Neste momento, Portugal acompanha o caso de Bárbara Guimarães, uma das apresentadoras mais famosas do canal SIC, parceiro da Globo, no qual ela comandou vários reality shows nos últimos anos.

Para conseguir o divórcio do ex-marido, um ex-ministro chamado Manuel Maria Carrilho, a quem acusou de agressão física,  difamação e ameaça de morte, Bárbara aceitou uma exigência dele: pagar 288 mil euros, cerca de 1 milhão de reais.

Diante do espanto geral provocado por tal atitude, a apresentadora explicou: “Eu daria qualquer coisa para me livrar daquela pessoa e ficar com a guarda dos meus filhos”.

Além das marcas físicas e emocionais provocadas por “murros, pontapés e apertões”, conforme a apresentadora revelou em depoimentos registrados nos autos do processo, houve uma sequela profissional.

Bárbara Guimarães deixou de ser convidada para estrelar campanhas publicitárias e eventos. Sua renda despencou. Tornou-se ‘persona non grata’ por ter a imagem associada à violência, como se fosse culpada pelo próprio infortúnio e merecesse ser punida junto com o marido agressor.