Atriz Tereza Rachel morre aos 80 anos no RJ

No último sábado (2) o Brasil perdeu mais um talento da dramaturgia, pois, aos 80 anos, morreu a atriz Tereza Rachel, que teve um quadro agudo de obstrução intestinal agravado. A artista estava internada desde o dia 30 de dezembro de 2015 no Centro de Tratamento intensivo (CTI) do Hospital São Lucas, em Copacabana, bairro da Zona Sul do Rio de Janeiro. As informações são da assessoria de imprensa do Hospital.

De Nilópolis, bairro fluminense da capital carioca e nascida em 19 de agosto de 1935, Tereza fez mais de 20 novelas e interpretou diversos personagens. O mais queridinho dos telespectadores, foi a vilã Rainha Valentine, da novela Que rei sou eu? , trama de 1989. Ela também deu vida a personagem Clô Hayalla, da primeira versão de O astro , transmitida em 1977, a Marta Gama de Baila Comigo , a Renata Dumont de Louco Amor e Francesca Ferreto de A Próxima Vitima .

No entanto, no últimos tempos, a atriz fez algumas participações nas telinhas, aparecendo em pequenos papeis em novelas como Era uma vezCaras e Bocas Tititi Babilônia e série Alice, do canal HBO, por exemplo.

Já nos palcos, a atriz se dedicou em 30 peças, trabalhando ao lado do ícone Paulo Autran e também de nomes como Flávio Rangel e Millôr Fernandes, entre outros.

Teresinha Malka Brandwain Taiba de La Sierra, seu verdadeiro nome, casou-se duas vezes, sem a primeira com um espanhol e seu segundo marido foi o cineasta Ipojuca Pontes, que ficou ao lado da atriz enquanto esteve no Hospital.

Nos bastidores

A atriz também tinha uma atuação magnífica longe das câmeras e holofotes. Em 1972, Tereza decidiu inaugurar em Copacabana, na capital carioca, um teatro que levava seu nome. Muitos artistas passaram por lá, incluindo Marília Pêra, Bibi Ferreira, Juca de Oliveira, Caetano Veloso, Luiz Gonzaga, Gilberto Gil e também a cantora Gal Costa, que estreou o local com um belo show Gal Fatal. Mas, após 28 anos, o teatro foi alugado para a Igreja Universal do Reino de Deus.

Ao saber da história, Miguel Falabella, que na época era gestor da Rede Municipal de Teatros, lutou para reabrir o teatro até que conseguiu tombar o local dando vida, em 2012, ao Net Rio - Sala Tereza Rachel.