Viúva de Robin Williams revela que ator sofria com demência

Segundo Susan Schneider, a depressão não matou artista

A viúva do ator Robin Williams, Susan Schneider, revelou que seu marido sofrida de demência com corpúsculos de Lewy (DCL), um tipo de doença neurodegenerativa que modifica os movimentos do corpo, o estado de ânimo e ainda provoca alucinações esporádicas.

    "A depressão não matou Robin e a depressão foi só um dos 50 sintomas que ele padecia", disse a viúva à revista "People".

    Segundo Schneider, os transtornos começaram a ficar mais frequentes em 2013 e apareciam "como em uma máquina de pinball: você não sabe exatamente para onde olhar".

    Schneider destacou que a doença só foi descoberta através da necropsia de Williams já que, em vida, nenhum exame conseguiu dar um diagnóstico preciso sobre o problema. A esposa do artista revelou também que seu marido sabia que "estava perdendo o controle" e que, em agosto de 2014, quando Williams cometeu suicídio, tudo começou a desmoronar.

    O corpo do vencedor do Oscar de 1998 foi encontrado no banheiro da sua residência em Los Angeles por sua assistente social.

    Segundo a autópsia, o ator morreu por asfixia causada pelo cinto que ele utilizou para tirar sua vida. (ANSA)